Bretas profere sentença 'atrasada' e condena empresários

·1 min de leitura
***ARQUIVO***Rio de Janeiro, Rj, BRASIL. 23/11/2018;   Juiz Marcelo Bretas participa de simpósio nacional de combate a corrupção na FGV na tarde desta sexta-feira (23) ( Foto: Ricardo Borges/Folhapress)
***ARQUIVO***Rio de Janeiro, Rj, BRASIL. 23/11/2018; Juiz Marcelo Bretas participa de simpósio nacional de combate a corrupção na FGV na tarde desta sexta-feira (23) ( Foto: Ricardo Borges/Folhapress)

BRASÍLIA, DF, E RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O juiz Marcelo Bretas proferiu uma das duas sentenças no qual foi cobrado no TRF-2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região) pela demora na conclusão das ações penais.

O magistrado condenou dois empresários pelos crimes de fraude à licitação e organização criminosa envolvidos no suposto esquema do ex-governador Luiz Fernando Pezão.

Como o jornal Folha de S.Paulo mostrou, o juiz da Lava Jato do Rio de Janeiro passou a ser cobrado pela demora em proferir sentenças. No caso dos empresários, o TRF-2 impôs um prazo de dois meses para a conclusão do processo.

Bretas apontou como uma das razões para o atraso a redução da equipe da 7ª Vara Federal Criminal, onde atua. O TRF-2 retirou 4 dos 16 servidores que auxiliavam o magistrado.

O magistrado ainda não proferiu a sentença na ação penal contra Carlos Arthur Nuzman, ex-presidente do COB (Comitê Olímpico do Brasil), acusado de participar do pagamento de propina para membros do COI (Comitê Olímpico Internacional) na votação que escolheu o Rio de Janeiro como sede da Olimpíada de 2016.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos