"Brexit" pode custar até 65,1 bilhões de euros ao Reino Unido, indica estudo

Bruxelas, 30 mar (EFE).- A saída do Reino Unido da União Europeia pode custar entre 25,4 bilhões e 65,1 bilhões de euros aos britânicos, em função de acordos pela participação do país nos ativos do bloco, indicou uma análise divulgada nesta quarta-feira pelo Bruegel, um centro de estudos com sede em Bruxelas.

"A chave será se o 'Brexit' será considerado como o cancelamento da filiação ou como um divórcio", apontam os autores do estudo, que admitem que essa será uma "decisão política".

"No primeiro caso, o Reino Unido não teria direito de reivindicar nenhum ativo da UE, mas, mesmo assim, teria que pagar suas cotas pendentes. No segundo, tanto os ativos como as obrigações do país teriam que ser divididas", explica o relatório do Bruegel.

Os autores calculam que os compromissos e obrigações da União Europeia serão de 742 bilhões de euros no fim de 2018, pouco antes do fim do processo de saída do Reino Unido do bloco. Se o prazo de dois anos for cumprido, a separação será concluída em março de 2019.

Levando em consideração que a participação britânica nesse montante é de 12%, o país teria que assumir obrigações de 86,9 milhões de euros brutos.

Por outro lado, os ativos da União Europeia e as dívidas condicionais seriam de 192,6 bilhões de euros, o que significa que o Reino Unido poderia recuperar 17,7 bilhões desse valor se o cenário de "divórcio" for considerado na hora do acordo.

Além disso, a União Europeia adquiriu outros compromissos, que costumam ser pagos em um período de cinco anos, com o Reino Unido no valor de 28,9 bilhões de euros. Também seria preciso somar outros 4,6 bilhões de euros de desconto que o país tem tradicionalmente em sua contribuição para o orçamento comunitário do bloco.

Dessa forma, o governo britânico teria que pagar entre 54,2 bilhões e 109 bilhões de euros à União Europeia, mas poderia receber entre 28,8 bilhões e 44 bilhões em reembolsos por parte dos países-membros do bloco, supondo o cenário do "divórcio".

O governo britânico ativou nesta quarta-feira o artigo 50 do Tratado de Lisboa, que dá início formalmente às negociações para a saída do bloco. Por enquanto, nenhuma das partes forneceu cálculos de quanto o processo custará.

A Comissão Europeia, no entanto, reiterou que o Reino Unido deve respeitar os compromissos financeiros adquiridos com os aliados do bloco. EFE