Brigado com as irmãs, filho de Gugu Liberato festeja 20 anos com mãe e namorada

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Filho mais velho de Gugu Liberato, João Augusto Liberato está completando 20 anos nesta quarta-feira e festejou a data com a mãe, Rose Miriam, e a namorada, Gracie, em Miami, nos EUA.

O jovem está brigado com as irmãs, Marina e Sofia, por conta da partilha de bens do pai. O desentendimento entre os três herdeiros de Gugu, que morreu em novembro de 2019, ocorreu após as filhas se manifestarem contra João e a tia, Aparecida Liberato, e estarem a favor da mãe no processo de reconhecimento de união estável com o pai.

João e as irmãs estão de lado apostos nessa disputa. Enquanto as gêmeas defendem o direito da mãe na partilha da herança de Gugu, que morreu em novembro de 2019, o primogênito une forças à tia, Aparecida Liberato, nomeada a inventariante da fortuna de Gugu.

Recentemente, elas entraram com uma ação pedindo uma pensão alimentícia no valor de R$ 20 mil dólares (R$ 102,8 mil), mas a Justiça negou.

Em julho, João afirmou, em nota, que as gêmeas estavam sendo manipuladas no inventário do pai, e disse que a emancipação das irmãs, de 17 anos, foi "duvidosa".

A defesa de Marina e Sofia, que é a mesma de Rose Miriam, por sua vez, rebateu que a "manipulação" ocorria do lado que João defende e destacou a "falta amadurecimento ao rapaz de 19 anos".

A situação se agravou ainda mais nesta quarta-feira, quando um vídeo de um depoimento que Sofia e Marina deram à Justiça foi divulgado na imprensa. Nas imagens, as duas reclamam da postura de Aparecida Liberato e se se queixam que a tia não deu permissão para ela comprar um carro de luxo Porsche, que custa cerca de R$ 500 mil.

No vídeo, as gêmeas também defendem a mãe, Rose Miriam, no processo, que briga pelo reconhecimento da união estável com o apresentador. Ela reclamaram dos valores que têm sido repassados mensalmente a elas, chegaram a pedir um aumento, considerando a quantia recebida pelo irmão mais velho e pela avó.

"Pedi um aumento para ela (a tia, Aparecida Liberato) de dois mil dólares e ela já foi falando que era um absurdo ganhar dois mil, sendo que não é nem perto do que a gente tem. Nem perto do que ela tira por mês para pagar as nossas contas".

Elas também pedem uma auditoria para entender como está o processo e os valores movimentados desde o começo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos