BRT: Paes fala de 'ação coordenada pelos empresários', dá ultimato e espera volta do sistema ainda hoje

Felipe Grinberg
·2 minuto de leitura
Domingos Peixoto em 14-1-2021 / Agência O Globo

RIO - Após uma reunião com representantes das empresas de ônibus e a prefeitura do Rio, Eduardo Paes afirmou na tarde desta segunda-feira que a greve que paralisou o sistema foi "coordenada entre os empresários das linhas convencionais e do BRT"

- O que se teve hoje foi claramente uma operação coordenada entre os sistemas. Houve o comando da secretaria de Transportes para que os ônibus convencionais substituíssem e criassem alternativas ao BRT e esse comando não foi acatado. Foi a primeira e única vez que fizeram isso ou haverá a caducidade do contrato e o cancelamento da concessão. Nunca vi uma paralisação como essa no sistema de ônibus e por isso não tenho dúvidas que, se não foi um locaute, houve ação coordenada a partir da iniciativa dos empregados com a concessionária- afirmou.

Eduardo Paes também se desculpou com a população carioca pelo transtorno causado pela greve, mas disse que na noite desde domingo os empresários já sabiam do movimento porém negaram que houvesse uma possibilidade de greve. O prefeito contou ainda que um plano de contigência foi feito e enviado para os empresários, que não atenderam o determinado.

O prefeito admitiu que há um desequilíbrio econômico-financeiro no contrato devido a pandemia. A prefeitura então prevê dois cenários a curto prazo: a negociação do contrato atual, com a revisão de algumas cláusulas, como o monitoramento da bilhetagem passando para as mãos do município . Essa negociação, e que é a possibilidade mais provável atualmente, duraria 90 dias. Também há a chance de a prefeitura declarar a caducidade do contrato de concessão , cancelando assim o contrato Para isso, seria necessária a realização de uma nova licitação para o sistema de ônibus da cidade. Eduardo Paes, porém, negou a possibilidade de aporte financeiro do município ao sistema:

- Temos um desequilíbrio agravado pela pandemia. Estávamos buscando caminhos através do diálogo para a reestruturação do sistema. Não há nenhuma previsão para ajuda financeira — disse o prefeito. Questionado se nesse novo cálculo prefeitura pensa em aumentar a passagem, Paes negou que estude a medida neste momento:

- Vamos reequilibrar e fazer de forma transparente. A princípio não há no momento sequer a cogitação de aumento de passagem ou subsídio — concluiu