Brumadinho: quem são as vítimas que ainda não foram encontradas?

Rompimento da barragem aconteceu em 25 de janeiro de 2019

Vista aérea do Parque da Cachoeira, que sofreu o rompimento da barragem em 25 de janeiro de 2019, em Brumadinho, Minas Gerais (Foto: DOUGLAS MAGNO/AFP via Getty Images)
Vista aérea do Parque da Cachoeira, que sofreu o rompimento da barragem em 25 de janeiro de 2019, em Brumadinho, Minas Gerais (Foto: DOUGLAS MAGNO/AFP via Getty Images)

Nesta semana faz quatro anos do rompimento da barragem da mineradora Vale, em Brumadinho, Minas Gerais. Três famílias das 270 vítimas da tragédia ainda esperam os copos que não foram achados sob o mar de lama. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo.

Até hoje a força-tarefa de bombeiros e policiais mantém buscas e trabalhos de análise dos vestígios coletados no lugar que um dia foi a Mina do Córrego do Feijão.

"Nossos amados não pertencem ao lugar da tragédia. As buscas são uma forma de reparação com as vítimas sendo recuperadas", diz Patrícia Borelli, filha de Maria de Lurdes da Costa Bueno, de 59 anos, corretora de São José do Rio Pardo (SP) que estava hospedada em uma pousada em Brumadinho. Ela, o marido, dois enteados e a nora, grávida, foram soterrados junto com mais hóspedes, funcionários e os donos do local.

Ainda de acordo com reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, as famílias de Nathália de Oliveira Porto Araújo, de 25 anos, e de Tiago Tadeu Mendes da Silva, de 34, são as outras que seguem à espera. Ela era estagiária e ele, funcionário da Vale.

267ª vítima encontrada

No dia 21 de dezembro de 2022, a 267ª vítima do rompimento da barragem de rejeitos do Córrego do Feijão, da Vale, foi identificada pela Polícia Civil do Estado de Minas Gerais: Cristiane Antunes Campos, que tinha 35 anos à época dos fatos.

Cristiane foi identificada por meio de exame de DNA. Ela era supervisora de mina e natural de Belo Horizonte.

No ano passado, a Polícia Civil identificou três vítimas da tragédia, em maio, em junho e em dezembro. Há um mês, o CBMMG contabilizou mais de 1.400 dias de operação em Brumadinho. Desde o início, 5.735 bombeiros militares foram empregados na operação.