Bruno Covas decide estender programa de renda básica emergencial por mais três meses em SP

CAMILA MATTOSO
·1 minuto de leitura
*ARQUiVO* SAO PAULO/ SP, BRASIL,  01.01.2021 - Posse do prefeito eleito de são paulo, bruno covas (psdb) e dos 55 vereadores. na câmara municipal de sp -Coronavirus o COVID-19.  (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)
*ARQUiVO* SAO PAULO/ SP, BRASIL, 01.01.2021 - Posse do prefeito eleito de são paulo, bruno covas (psdb) e dos 55 vereadores. na câmara municipal de sp -Coronavirus o COVID-19. (Foto: Zanone Fraissat/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O prefeito Bruno Covas (PSDB) decidiu estender por mais três meses o pagamento do programa de renda básica emergencial do município.

A medida será oficializada nesta quinta-feira (4), em cerimônia na qual o tucano entregará aos vereadores o projeto de lei que trata da prorrogação do programa.

O texto terá que ser aprovado na Câmara Municipal para que o programa possa ser prolongado, mas o prefeito não deverá ter dificuldades em obter os votos necessários: 25 dos 55 vereadores fazem parte de sua base, e mesmo parlamentares de oposição devem apoiar a medida.

O programa destina R$ 100 mensais por pessoa de famílias beneficiárias do Bolsa Família, vendedores ambulantes, trabalhadores informais e outros prejudicados pela pandemia da Covid-19.

O governo federal ainda vive incerteza sobre a volta do pagamento do auxílio emergencial, com resistência do Ministério da Economia.

Em São Paulo, a prefeitura estima que o prolongamento do programa custará aproximadamente R$ 420 milhões.

Sancionado em novembro do ano passado por Covas, o programa foi inspirado no projeto de renda básica de cidadania idealizado pelo vereador Eduardo Suplicy (PT).