'Dia D' da vacinação em SP tem emoção de vice e secretários ao comentar quadro de Bruno Covas

·3 minuto de leitura
No dia 2 de maio, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou a decisão de se licenciar do cargo. Ricardo Nunes, seu vice, assumiu a capital paulista provisoriamente
No dia 2 de maio, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou a decisão de se licenciar do cargo. Ricardo Nunes, seu vice, assumiu a capital paulista provisoriamente

Em ação para marcar a aplicação de 4 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 na manhã deste sábado (15), o prefeito em exercício de São Paulo, Ricardo Nunes, afirmou que a manutenção da agenda é uma forma de homenagear o prefeito Bruno Covas, internado no Hospital Sirio-Libanês para o tratamento de um câncer. Na noite de sexta (14), a equipe médica anunciou que seu quadro clínico é irreversível.

"O que ele [Bruno Covas] sempre nos orientou e cobrou da gente, mesmo quando teve essa última internação, foi que a cidade não parasse, que cuidasse das pessoas. A equipe tem seguido e continuará seguindo as orientações do prefeito", disse Nunes em coletiva na escola Dona Chiquinha Rodrigues, no Campo Belo, zona sul. O local é um dos mil pontos abertos no sábado para o Dia D da vacinação contra a gripe.

Leia também

Nunes estava visivelmente emocionado enquanto falava com a imprensa e deixou a escola chorando. Ele assumiu a prefeitura interinamente no dia 2, quando Covas anunciou que licenciaria do cargo para cuidar de sua saúde.

Segundo Nunes, a informação mais recente que recebeu sobre o estado de saúde de Covas é a que divulgada na noite de sexta. O texto divulgado informava que ele estava sedado e com a família. Os dois se viram pela última vez na quinta (13), mas Nunes diz que conversou com o prefeito também na sexta por telefone e mensagens.

Presente na ação, o secretário Municipal de Educação, Fernando Padula, também se emocionou ao falar do prefeito. "Eu conheço o Bruno há 30 anos. Ele ficaria muito bravo com a gente se cancelasse essa agenda."

Titular da Saúde, o secretário Edson Aparecido destacou a trajetória recente de Covas. "O Bruno enfrentou a pandemia, a doença, uma campanha eleitoral de cabeça erguida. A melhor homenagem, e ele quer que seja assim, é trabalhar e cuidar da população."

Quadro irreversível

Foto: Roberto Casimiro/Fotoarena/Sipa USA via AP Images
Foto: Roberto Casimiro/Fotoarena/Sipa USA via AP Images

Licenciado da Prefeitura de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) apresentou piora no estado de saúde nesta sexta (14) e tem quadro irreversível, de acordo com os médicos do Hospital Sírio-Libanês, onde está internado para tratar um câncer.

Em outubro de 2019, o prefeito foi diagnosticado com um câncer na cárdia, que fica na transição entre estômago e esôfago. Exames feitos recentemente mostram que o tumor estava em metástase, com novos pontos sendo encontrados no fígado e nos ossos.

Covas está internado na UTI do Hospital Sírio-Libanês desde o dia 3 de maio, após um sangramento no estômago.

Após o diagnóstico inicial, Covas passou por oito sessões de quimioterapia que fizeram com que o tumor regredisse. Mas, segundo a equipe médica, não foram suficientes para vencer o câncer. Após novos exames, o prefeito iniciou o tratamento com imunoterapia.

Em janeiro de 2021, após ser reeleito nas eleições municipais e continuar no cargo, Covas anunciou uma nova fase de procedimentos no combate à doença.

Ele tirou uma licença de 10 dias, quando passou a ser submetido a sessões de radioterapia. Na época, estavam previstas 24 sessões de radioterapia complementares para o tratamento.

***Com informações de Mariana Freire, da Folhapress

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos