Bruno Maia: Tamanho da torcida x tamanho do futebol

Pesquisas que registram o tamanho de torcidas são frequentemente publicadas em grandes veículos, fazendo sucesso junto aos torcedores. Diante da pesquisa O GLOBO/Ipec, é preciso ressaltar que a abordagem etnográfica dos grupos identificados com cada clube é relevante. Porém, é importante lembrar que esses números só têm real sentido econômico depois que respondermos à pergunta: qual é o tamanho do futebol brasileiro?

Retrato: Quantos são e como torcem os brasileiros que afirmam ter dois times

Veja comparativo: Flamengo lidera ranking de torcida da pesquisa O GLOBO/Ipec, além de receita, público e redes sociais

Para dimensionarmos o impacto que as torcidas têm em geração de receita, precisamos saber quantos brasileiros gostam de futebol em 2022. Nos falta uma análise completa de setor. Dentro dela, quantos assistem e consomem futebol?

Futebol é uma paixão nacional, mas não uma unanimidade. E precisamos calcular essa diferença pra mensurar os impactos econômicos gerados por cada torcida. É claro que pesquisas não são culpadas pelas conclusões equivocadas a que chega quem as interpreta de maneira rasa. E muito menos pela forma irresponsável com que se projetam resultados fantasiosos para grandes clubes a partir da confusão gerada.

Recorte por renda: Corinthians ultrapassa Flamengo entre os mais ricos; rubro-negro lidera entre mais pobres

Porém, é importante chamar a atenção para aprofundarmos o entendimento sobre o produto futebol.

Como dito, do percentual de pessoas que gosta do esporte, quantas de fato o consomem? E o fazem de maneira direta, com compra de produtos e assinaturas de serviços, ou apenas passiva?

Rodrigo Capelo: Pesquisa O GLOBO/Ipec reforça potencial desperdiçado pelo Vasco

Quantos têm conta em banco? Quantos estão negativados? Afinal, a economia do futebol ainda gira em torno da formalidade. Os brasileiros que estejam à margem dela terão um potencial menor de serem transformados em receita pelo mercado.

Como esses percentuais se comportam em cada torcida, dependendo das condições socioeconômicas de cada região do país? A partir daí chegaremos mais perto de mensurar o impacto que o tamanho e a distribuição das torcidas, em seus diversos estratos, é capaz de gerar.

Thales Machado: Pesquisa é capaz de medir grandeza de Fluminense, Santos e Botafogo?

Há dois anos, escrevi no livro “Inovação é o novo marketing” que nenhum clube brasileiro tem um milhão de fãs, em um esforço semântico de diferenciar quem pode ser considerado torcedor e quem pode, de fato, influenciar o mercado com seu consumo. O futebol se encaminha, como todos os outros setores do entretenimento, para um consumo mais nichado e menos massificado.

Projetar o impacto do futebol apenas por pesquisas de tamanho das torcidas terá mais relevância se corrigirmos o cenário de pouca informação contextual do produto. Na discussão sobre a liga de clubes, é comum ouvirmos que é necessário cuidar do produto primeiro. É assim nas principais ligas do mundo. Da mesma forma, precisamos produzir mais informação e discutir mais o produto para entendermos melhor os clubes depois.

*Bruno Maia é CEO da Feel The Match e executivo de inovação e tecnologia no esporte

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos