BTS explica influência da pandemia em 'BE': 'Nos sentimos frustados e tristes e essas emoções foram colocadas no álbum'

Louise Queiroga
·3 minuto de leitura

A três horas do lançamento do álbum "BE (Deluxe Edition)", o grupo sul-coreano BTS detalhou as emoções que rondaram o processo criativo do novo trabalho e ressaltou o quanto a pandemia influenciou esses sentimentos. Participaram da conferência de imprensa RM, Jin, J-Hope, Jimin, V e Jungkook. O integrante Suga não esteve presente por estar se recuperando de uma cirurgia no ombro.

Jin, o mais velho do grupo, comentou sobre os impactos do coronavírus na carreira deles em 2020 e frisou que, para ele, é importante "encontrar pequenas felicidades na vida", de forma que as pessoas permaneçam "juntas e fortes".

— Por causa da Covid-19, não pudemos nos encontrar com os fãs, mas quisemos mostrar nossa esperança, e que sempre estamos com eles — destacou. — Tudo mudou por causa da Covid para todos. Nos sentimos frustados e tristes e essas emoções foram colocadas no álbum. Acho que as pessoas vão conseguir se identificar. Interpretamos essas emoções de uma forma única que é nossa, mas as músicas também conseguem ser divertidas.

Jungkook, que particpou da produção da faixa "Stay", interpretada por ele, RM e Jin, disse considerá-la tanto emocionante quanto divertida.

— Estamos afastados fisicamente, mas continuamos juntos; essa é a mensagem que quis colocar.

Na coletiva de imprensa, o BTS chamou atenção para a mensagem da faixa-título "Life goes on", cujo videoclipe foi dirigido por Jungkook.

— Tentei dar o meu melhor (na direção do MV) — contou o membro mais novo do conjunto. — Quero criar videoclipes melhores no futuro.

Fotogaleria:

Segundo o BTS, "Life goes on" é "um pouco mais pesada" do que "Dynamite", caracterizada por um ritmo disco e alegre. No entanto, os artistas disseram considerar a nova música como "sensível e leve."

— Pensamos se deveríamos colocar 'Dynamite' nesse álbum e decidimos que queríamos ter uma conclusão positiva de esperança, como tem em 'Dynamite' com os fogos de artifício ao final — acrescentou RM.

Líder do septeto, RM falou sobre os vídeos que os membros divulgaram no YouTube, mostrando partes do processo criativo da formulação do novo disco. Para ele, isso os ajudou a se sentirem mais próximos dos armys, como são chamados os fãs do BTS.

— Sentimos que fizemos esse álbum junto com os fãs — disse RM. — Não importa o que aconteça, a vida continua.

Segundo Jimin, o objetivo de "BE" é enviar "uma mensagem de conforto para as pessoas e que elas possam se identificar".

— Nós queríamos mostrar como seguir em frente — disse ele.

Jimin também falou sobre a faixa "Fly to my room", interpretada por ele, Suga, V e J-Hope. Para o vocalista, a música provoca uma reflexão sobre liberdade.

— Acho que vocês a acharão bem única. É sobre a situação em que podemos viajar livremente, e a ideia de viajar muda no futuro. Mas não é uma música triste, é uma música divertida sobre voar no próprio quarto — afirmou.

V, creditado como diretor visual do álbum, confessou ter sido um papel difícil a assumir, mas que o apoio dos fãs o motivou a realizá-lo. Ele disse ainda que a faixa "Blue & Grey", da qual participou da produção, aborda a expressão de "uma tristeza profunda", podendo ser "um pouco sombria", ao mesmo tempo em que é "leve e calorosa".

— Nós realmente queríamos mostrar um conteúdo significativo para os armys — disse V.

J-Hope explicou que o disco fala sobre a vida na faixa dos 20 anos e, por isso, o grupo quis mostrar no aspecto visual como os membros se comportam e se divertem, apesar dos desafios.

Quanto à faixa "Dis-ease", J-Hope comentou sobre o impacto que as doenças mentais têm nas vidas das pessoas e o quanto elas podem ter atingido mais gente durante o difícil período atual.

— Queríamos mostrar uma mensagem de esperança com relação ao futuro.