Síndrome de Burnout: O que é, como identificar e quais são os impactos na qualidade de vida

Ana Beatriz Rosa

Confusão mental, cansaço, incapacidade de se desligar dos problemas, negação de suas próprias necessidades, distanciamento da vida social, vazio interno, crises de ansiedade e de choro.

O estresse agudo oriundo do trabalho não é frescura. Pelo contrário, é uma síndrome com efeitos perigosos par a saúde física e mental.

O burnout, termo em inglês que define o esgotamento vivido por parte dos profissionais brasileiros, foi incluído na lista de doenças e condições de saúde elaborada pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Mas você sabe identificar quando o trabalho está afetando o seu equilíbrio emocional?

O HuffPost Brasil preparou um guia para compreender melhor a síndrome - e quais as mudanças você pode realizar para prevenir o burnout

Entenda o que é a síndrome de burnout.

O que é a síndrome de burnout

A síndrome de burnout também pode ser entendida como um quadro de extrema exaustão emocional.

Esse estágio agudo é atingido quando, diante de intensas ou longas adversidades, o indivíduo não encontra recursos internos para lidar com as situações e acaba por se tornar completamente vulnerável.

“O burnout é muito visto como um fenômeno ocupacional, mas a meu ver, pode estar presente em qualquer situação traumática e de extrema hostilidade, como por exemplo, situações de violência familiar ou social”, explica a psicóloga Márcia Merquior, responsável pelo setor de avaliação do estresse emocional do serviço de saúde Vita Check-up.

Por que burnout não é considerado uma doença

Apesar de ser um estado agudo (bastante intenso e extremado), o burnout é transitório.

Ele é sempre uma reação a alguma situação extrema, e que se apresenta com um conjunto de sintomas como medos, crises de choros, pânicos, intolerância, falta de sono e de concentração.

Como perceber os sintomas emocionais do burnout

A psicóloga explica que a síndrome é um processo que vai se instalando aos poucos, trazendo principalmente um aumento da ansiedade, da irritabilidade, da...

Continue a ler no HuffPost