Butantan inaugura Museu da Vacina no ano que vem

·2 minuto de leitura
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 17.01.2021 - Fachada do Instituto Butantan. (Foto: Jardiel Carvalho/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 17.01.2021 - Fachada do Instituto Butantan. (Foto: Jardiel Carvalho/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Instituto Butantan deu início às obras para a criação do Museu da Vacina da instituição. A expectativa é inaugurá-lo no próximo ano.

O objetivo do espaço é instigar o interesse pela ciência e pesquisa a partir da história da imunização no Brasil e no mundo, reforçando sua importância. O Instituto Butantan é hoje o principal produtor de vacinas e soros da América Latina.

Entre as atividades previstas estão incluídas exposições interativas, atividades complementares e palestras.

O local onde o museu funcionará é uma edificação histórica do instituto, construída no fim do século 19, que já abrigou a sede da Fazenda Butantan e foi a residência do primeiro diretor do instituto, o médico Vital Brazil. Até 2019, as instalações eram utilizadas pelos laboratórios de Herpetologia, Ecologia e Evolução, mas estavam desocupadas desde então.

O investimento na restauração dos 309 m² que vão abrigar o novo espaço é de R$ 2,6 milhões, com verba do governo estadual.

Este será o quinto museu do Instituto Butantan, que hoje possui também o de Museu da Microbiologia, Museu Biológico, Museu Histórico e de Museu da Saúde Pública (Emílio Ribas).

Além do projeto do Museu da Vacina, o Butantan deu início também às obras de expansão do novo Centro Avançado de Produção de Soros.

O centro, que deve ser concluído em 2023, permitirá a produção industrial em um só local de todos os soros que o instituto disponibiliza contra toxinas de animais peçonhentos e micro-organismos. Atualmente, o Butantan produz 12 tipos de soros, que são distribuídos ao Ministério da Saúde.

O processo de produção de soros envolve a imunização de cavalos com antígenos produzidos a partir de venenos, toxinas bacterianas ou vírus, com a obtenção de diferentes tipos de plasma, que são depois submetidos a purificação, formulação e envase.

As instalações terão 6.600 m² distribuídos em cinco andares, e permitirá realizar desde o processamento do plasma até o envasamento dos frascos. Na planta, os soros também poderão ser liofilizados, isto é, desidratados e transformados em pó sem perder suas propriedades. O investimento no projeto é de R$ 34,5 milhões.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos