Butantan irá pedir à Anvisa autorização para vacinar crianças com Coronavac

·2 min de leitura
A Venezuelan girl shows her arm after being inoculated the CoronaVac vaccine against Covid-19 at the Francisco de Paula Santander International Bridge in the border city of Cucuta, Colombia on November 13, 2021. (Photo by Yuri CORTEZ / AFP) (Photo by YURI CORTEZ/AFP via Getty Images)
Criança venezuelana após receber dose de Coronavac. Foto: Yuri CORTEZ / AFP.
  • Em julho, agência negou requerimento do laboratório

  • Desde então, instituto tem enviado novos dados sobre a vacina

  • Vizinhos brasileiros já avançam na vacinação da faixa etária

O Instituto Butantan deverá pedir novamente à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), na próxima semana, autorização para vacinar crianças e adolescentes entre 3 e 17 anos contra a covid-19 com a vacina Coronavac.

O primeiro pedido do instituto, em julho, foi negado pela agência reguladora, que pediu mais documentos que atestassem a eficácia e segurança do imunizante em crianças e adolescentes.

O laboratório tem encaminhado desde então novos dados à Anvisa. Na próxima semana, o pedido deverá ser encaminhado junto com novos resultados da vacinação com a Coronavac em crianças no Chile, que já autorizou a aplicação da vacina em crianças a partir de 3 anos, e na China.

Por hora, somente a Pfizer enviou requerimento para análise de dados para liberação da vacina em crianças no Brasil.

"Esse pedido [da farmacêutica americana] entrou na Anvisa no dia 12 de novembro e tem prazo de até 30 dias para ser finalizado pela Anvisa. A solicitação do laboratório é para a faixa de 5-11 anos de idade. Não há pedidos de outros laboratórios até o momento", afirmou a agência.

Segundo a Anvisa, o prazo de 30 dias pode mudar em caso de necessidade de mais dados sobre os imunizantes.

A agência e o governo do estado de São Paulo têm entrado em atrito. Nesta semana, a Secretaria de Estado da Saúde pediu "máxima urgência" na análise para a liberação de vacinas em menores de idade.

A liberação da vacina em crianças já levou até a ameaças de morte direcionadas a funcionários da Anvisa, caso eles liberassem a imunização da faixa etária.

No restante do mundo, muitos países já liberaram a vacinação de crianças, mas com outros imunizantes. A Agência Europeia de Medicamentos, por exemplo, aprovou a vacina da Pfizer para crianças entre 5 e 11 anos.

Israel e os Estados Unidos também estão vacinando crianças com o imunizante da Pfizer, assim como os Emirados Árabes.

Na América do Sul, Argentina, Venezuela, Colômbia, Equador e Uruguai já têm permissão para vacinar crianças.

Em Cuba, crianças a partir de 2 anos já podem receber a vacina Soberana 2, desenvolvida em laboratórios do país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos