Butantan pede à Anvisa autorização para início dos testes com a Butanvac, diz governo de SP

ARTUR RODRIGUES
·2 minuto de leitura
****FOTO DE ARQUIVO***SÃO PAULO, SP - 17.03.2021 -  O governador João Dória faz nova entrega de vacinas Coronavac ao Ministério da Saúde no Instituto Butantan. Nesta quarta (17) devem ser entregues mais 2 milhões de doses do imunizante. Covid-19 covid (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)
****FOTO DE ARQUIVO***SÃO PAULO, SP - 17.03.2021 - O governador João Dória faz nova entrega de vacinas Coronavac ao Ministério da Saúde no Instituto Butantan. Nesta quarta (17) devem ser entregues mais 2 milhões de doses do imunizante. Covid-19 covid (Foto: Danilo Verpa/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O governo João Doria (PSDB) anunciou nesta sexta-feira (23) que o Instituto Butantan pediu à Anvisa autorização para o início dos testes com a Butanvac.

O anúncio foi feito no Palácio dos Bandeirantes, na zona oeste de São Paulo, em entrevista coletiva com medidas sobre o coronavírus. O evento foi capitaneado pelo vice-governador Rodrigo Garcia (DEM), sem a presença do governador João Doria.

A vacina será produzida pelo Butantan, sem necessidade de importação de insumos. "É uma vacina que será muito rapidamente produzida integralmente no Brasil, não depende de nenhuma importação de matéria-prima. Uma capacidade enorme de produção já a partir inclusive da próxima semana", disse o diretor do Butantan, Dimas Covas.

O protocolo do estudo clínico de fases 1 e 2 foi enviado à Anvisa. A duração máxima prevista é de 20 semanas, mas a partir da 16ª haverá resultados de análise primária, o que possibilita o pedido do uso emergencial à Anvisa.

"É uma vacina que pode fazer diferença a partir do segundo semestre. Diferença para o Brasil e para outros países, porque temos grande capacidade de produção", disse Covas.

A Butanvac vai usar o vírus da doença de Newcastle -patógeno de uma síndrome respiratória aviária que não causa sintomas em humanos- como vetor viral. Esse vírus é modificado geneticamente para expressar a proteína da espícula do Sars-CoV-2 e poder gerar resposta imunológica no corpo contra o causador da Covid-19.

Garcia também anunciou que pela primeira vez, depois de dois meses, o estado de São Paulo apresentou uma queda no número de óbitos de 23%.

" É a primeira vez que os três indicadores, de caso, internações e óbitos estão em queda, graças a vacinação e às medidas do Plano São Paulo e ao apoio da população", disse Garcia.

O secretário da Saúde, Jean Gorinchteyn , disse que pela primeira vez nas últimas oito semanas houve queda nos indicadores de internações, casos e mortes.

"Casos tivemos em 14,3%. Nas internações, tivemos uma queda de 6%. E de óbitos 23,6%. É importante lembrar que nós já vínhamos apresentando uma queda nas últimas quatro semanas de internações", disse Gorinchteyn.

O governo também lembrou a reabertura do setor de serviços neste sábado (24), que permitirá a abertura de restaurantes, salões de beleza, academias, atividades culturais e parques. O toque de recolher das 20h às 5h e a ocupação de máxima de 25% de estabelecimentos continuam.