Butantan pede início de testes em humanos da ButanVac à Anvisa

Anita Efraim
·2 minuto de leitura
SPAIN - 2021/03/03: In this photo illustration a hand holding a medical syringe seen in front of the Instituto Butantan logo. (Photo Illustration by Thiago Prudêncio/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
ButanVac é considerada pelo govenro paulsita a primeira vacina 100% brasileira (Foto: Thiago Prudêncio/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)
  • Instituto Butantan pediu à Anvisa autorização para fazer testes da ButanVac em humanos

  • Ideia é produzir 40 milhões de doses da vacina entre junho e julho

  • ButanVac é produzida na fábrica da vacina da gripe

O Instituto Butantan enviou à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) o pedido para início dos testes em humanos da Butanvac, vacina contra a covid-19 produzida pelo Butantan. O anúncio foi feito em entrevista coletiva na tarde desta sexta-feira (23), no Palácio dos Bandeirantes. 

O presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, explicou que foi submetido o pedido para realização das fases 1 e 2. A expectativa é que a avaliação seja feita rapidamente pela Anvisa. "É uma vacina que pode fazer diferença a partir do segundo semestre, diferença para o Brasil e para outros países", declarou. 

Leia também

"Lembrando aqui alguns fatos importantes relacionados a essa vacina: é uma vacina que será muito rapidamente produzida aqui no Brasil integralmente, não depende de nenhuma importação, temos uma capacidade enorme de fabricação", disse Covas. 

"Já a partir da próxima semana, a fábrica da vacina da gripe (...) está liberada para iniciar a produção da ButanVac", lembrou. A tecnologia da ButanVac é a mesma usada na vacina contra a gripe, o que facilita a produção do imunizante. A fabricação da vacina não impacta a produção da CoronaVac, também do Instituto Butantan

"Esperamos ter até o mês de junho ou julho pelo menos 40 milhões de doses dessa vacina, que ficará aguardando o resultado do estudo clínico."

Dimas Covas não anunciou quem poderá participar dos testes da vacina. Mas, no anúncio da vacina, em 26 de março, a expectativa era de que 1.800 pessoas com mais de 18 anos integrassem o grupo de voluntários. 

"Quando ocorrer essa aprovação, vamos divulgar amplamente quais serão os centros onde esses estudos serão realizados, como os voluntários poderão se inscrever... Tudo que se espera de um estudo clínico. Será um estudo clínico rápido, com prazo máximo de duração de 20 semanas. A partir da 16ª semana nós já poderemos ter resultados que permitam a solicitação do uso emergencial", explicou Dimas Covas. 

A previsão inicial do Butantan, divulgada em 26 de março, era de que testes clínicos começassem em abril. Covas negou que tenha havido uma demora. "Existe um processo de discussão com a própria Anvisa até chegar a essa fase da submissão", afirmou. "Está dentro de um processo que eu acho que é relativamente rápido, tratando-se de um estudo dessa complexidade."