Butantan suspende produção da CoronaVac por falta de insumos, diz TV

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
An employee works on the production line of CoronaVac, Sinovac Biotech's vaccine against COVID-19 coronavirus at the Butantan biomedical production center, in Sao Paulo, Brazil, on January 14, 2021. - Sao Paulo state is due to begin immunizing its 12 million citizens from January 25. Beijing has already sent 10.7 million Coronavac doses and the supplies needed to make another 40 million doses. The health ministry, though, has yet to divulge when it will launch a nationwide immunization program. (Photo by NELSON ALMEIDA / AFP) (Photo by NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)
Linha de produção da CoronaVac no Instituto Butantan (NELSON ALMEIDA/AFP via Getty Images)

O Instituto Butantan paralisou a produção da CoronaVac, principal imunizante utilizado pelo Brasil na campanha de vacinação contra o coronavírus, por causa da falta de matéria-prima, fornecida pelo laboratório chinês Sinovac. A informação foi revelada pela CNN Brasil.

Em coletiva nesta quarta (7), o governador de São Paulo João Doria (PSDB) admitiu o problema com a matéria-prima. Um carregamento do Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) deveria chegar na próxima sexta (9), mas teve a data adiada.

Leia também

A nova previsão para que o insumo suficiente para produção de 10 milhões de doses chegue ao Brasil no dia 15 de abril, mas Doria e Butantan trabalham para antecipar a entrega, inclusive em conversas com o embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming.

Garantias do Butantan

Mesmo com o problema de matéria-prima, o Butantan garante a entrega de 2,5 milhões de doses ao Ministério da Saúde na próxima semana, já que estas foram produzidas e apenas esperam o controle de qualidade.

O instituto também segue garantindo que cumprirá os prazos colocados nos contratos com o Ministério da Saúde. Serão 46 milhões de doses até o fim de abril.