A Câmara de Âmbar, 8ª maravilha do mundo destruída por nazistas e recriada durante 2 décadas

·4 minuto de leitura
Câmara de Âmbar
A Rússia levou 23 anos para reconstruir a Câmara de Âmbar

Luminoso e frágil, o âmbar inspira reverência há muito tempo.

Protegida pela lei prussiana desde o século 13, essa resina fossilizada era cobiçada para a fabricação de objetos reais e religiosos em toda a Europa Oriental.

A Câmara de Âmbar, um cômodo com paredes revestidas de painéis feitos de seis toneladas de âmbar e adornados com folhas de ouro, mosaicos e espelhos, era um hino à beleza e importância do material.

Criado para a realeza na Prússia e na Rússia, perdido na guerra com a Alemanha nazista e finalmente reconstruído em um palácio de São Petersburgo, esse cômodo permanece um mistério tão cativante quanto o próprio âmbar.

Sua história

A Câmara de Âmbar foi projetada no início do século 18 como uma opulenta sala de 16 metros quadrados para Frederico 1°, o rei da Prússia.

Em 1716, foi presenteada ao czar russo Pedro, o Grande, e finalmente transferida para o Palácio de Catarina, perto de São Petersburgo.

Para combinar com os cômodos espaçosos do palácio, o arquiteto italiano Francesco Bartolomeo Rastrelli foi convidado a ampliar a sala.

Sob sua orientação, os painéis originais foram incorporados a uma sala de 55 metros quadrados decorada com mais âmbar, candelabros, mosaicos e figuras douradas.

A opulenta obra barroca russa ficou conhecida como a "oitava maravilha do mundo".

Palácio de Catarina
A sala foi recriada no Palácio de Catarina, nas cercanias de São Petersburgo

Quando os nazistas invadiram a Rússia, em 1941, eles desmontaram a Câmara de Âmbar e a levaram para o castelo de Königsberg, onde era o Estado da Prússia, pertencente à Alemanha.

De acordo com Anatoly Valuev, do Museu de História e Arte de Kaliningrado, Königsberg era uma "base de transferência de objetos culturais [saqueados], que seriam armazenados na cidade para serem transportados posteriormente a outras partes da Alemanha".

Mas quando o Exército Vermelho tomou a cidade, em 1945, nenhum vestígio da Câmara de Âmbar foi encontrado.

Destino desconhecido

Alguns pensaram que a sala poderia ter sido destruída por um incêndio.

"Mas não foram encontrados vestígios de âmbar queimado", diz Valuev.

"Assim, presumiu-se que os (painéis) sobreviveram e que estavam escondidos no porão do castelo ou haviam sido levados para outro local."

E a busca pela lendária câmara continuou.

Em 1946, Königsberg se tornou parte da Rússia e passou a se chamar Kaliningrado.

Duas investigações importantes, porém, não revelaram nenhum vestígio do cômodo.

Câmara de Âmbar
Esta era a aparência da câmara em 1917

Os especialistas soviéticos continuaram a explorar centenas de lugares ao redor da cidade e entre as ruínas de seu castelo.

Na década de 2000, equipamentos mais avançados foram usados na busca, e obras de arte e joias foram encontradas em uma parte escondida do porão do castelo, mas nada da Câmara.

Preocupação com seu estado

Com o passar dos anos, os especialistas começaram a recear que, mesmo que a Câmara de Âmbar fosse encontrada, provavelmente seria uma mera sombra do que havia sido no passado.

"O âmbar é um material complexo; é bastante frágil e muda com o tempo", diz Tatyana Suvorova, do Museu Regional do Âmbar de Kaliningrado.

Câmara de Âmbar
Assim como a original, a reprodução da sala é repleta de detalhes em âmbar

Segundo a especialista, se a sala tivesse sido redescoberta, "seria uma grande alegria, [mas] seria um fato histórico, não uma obra de arte", pelo estado em que provavelmente se encontraria.

Suvorova explica que peças desse tipo são feitas de um material frágil e exigem um manuseio muito delicado.

"Exigem um ambiente de museu", resume.

A nova sala

À medida que a esperança de que a Câmara de Âmbar fosse encontrada desvanecia, uma nova ideia surgiu.

Em 1979, a então União Soviética começou a reconstruir a sala, tendo como guia dois elementos originais remanescentes: uma única caixa de relíquias do cômodo; e 86 fotografias em preto e branco do espaço tiradas pouco antes da Segunda Guerra Mundial.

Câmara de Âmbar
A Câmara de Âmbar era considerada uma das maiores obras do barroco russo

A reconstrução levou 23 anos, mas hoje a reprodução da Câmara de Âmbar está em exposição no Palácio de Catarina, em Tsarskoye Selo, nas cercanias de São Petersburgo.

Com paredes reluzentes em laranja e ouro, esta nova sala de âmbar dá vida mais uma vez ao antigo charme da resina fossilizada.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos