Câmara aprova proposta que exige cobertura de planos de saúde para quimioterapia oral

·1 minuto de leitura

Nessa quinta-feira, dia 1º de julho, a Câmara dos Deputados aprovou o PL 6330/19, do Senado, que determina que os planos de saúde privados garantam cobertura para quimioterapia oral. Para entrar em vigor, a matéria ainda precisa da sanção do presidente Bolsonaro.

De acordo com o texto, tratamentos domiciliares de uso oral contra o câncer e medicamentos para o controle de efeitos colaterais relacionados ao tratamento terão que ter cobertura obrigatória. Os remédios deverão ser fornecidos em até 48 horas após a prescrição médica, estarem registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e o paciente ou seu representante legal devem receber orientações sobre o uso, a conservação e o eventual descarte dos medicamentos.

Além disso, custos com procedimentos radioterápicos e de hemoterapia deverão ser bancados pelos planos.

A deputada e relatora do projeto de lei Silvia Cristina (PDT-RO) acredita que, no cenário atual de pandemia, a iniciativa pode representar uma estratégia de proteção aos enfermos:

“A mudança da legislação é imprescindível para dezenas de milhares de brasileiros que, mensalmente, gastam considerável parte do seu orçamento para garantir um plano de saúde”, afirmou.​

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos