Câmara defende liberação de recursos da cota parlamentar de Daniel Silveira, bloqueados por Moraes

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

A pedido do deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), a Procuradoria da Câmara se manifestou na quinta-feira a favor do desbloqueio de conta vinculada aos gastos da cota parlamentar do bolsonarista. Por mês, o congressista teria direito a gastar até R$ 42,7 mil.

Eleições: Executiva do PSDB aprova aliança com MDB e apoia candidatura presidencial de Tebet

Veja também: Texto de diretrizes do programa de governo passará pelo crivo de Lula e Alckmin antes de ser divulgado

Em parecer assinado pelo procurador da Casa, deputado Luís Tibé (Avante-MG), o órgão legislativo argumentou que a decisão do ministro Alexandre Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), afronta a independência de outro Poder e o exercício do mandato eletivo.

Moraes congelou qualquer movimentação bancária de Silveira após condenação criminal. Nesta sexta-feira, a advogada de Silveira, Mariane Andréia Cardoso, protocolou o documento no STF para fundamentar um pedido de liberação dos recursos. Só neste ano, segundo o site da Câmara, Silveira gastou R$ 143 mil com a cota parlamentar.

Em abril, Daniel Silveira foi condenado pelo Supremo a oito anos de prisão por ameaças e incitação à violência contra ministros da Corte. Em seguida, o presidente Jair Bolsonaro concedeu o benefício da graça para livrar o parlamentar de qualquer punição. Medidas cautelares, como bloqueio de contas e bens, porém, foram mantidas por Moraes.

No parecer da Câmara, Tibé diz que o Poder Judiciário não tem a prerrogativa de bloquear contas que são usadas por Silveira para ser reembolsado por serviços relacionados à atividade parlamentar.

Segundo o deputado, esses valores, que servem para o pagamento de passagens aéreas, serviços relacionados ao escritório funcional, entre outros gastos, viabilizam o exercício do mandato.

“(A decisão) redundará, por vias transversas, imediata e inexoravelmente no bloqueio do exercício do mandato parlamentar”, registra o documento. De acordo com Tibé, a decisão “impacta drasticamente o regular exercício das funções parlamentares, podendo até mesmo inviabilizá-lo por completo”.

“ É, em realidade, o único meio de se prover diversos serviços rotineiros aos gabinetes”, conclui.

No final do parecer, o parlamentar reitera que a decisão “viola a independência do Poder Legislativo, por interferir na gestão do custeio dos serviços vinculados diretamente ao exercício da atividade parlamentar”.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos