Câmara deve começar obras para novo gabinete de Lira no fim de semana

Bruno Góes
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), comunicou a jornalistas na tarde desta quinta-feira que a obra para o seu novo gabinete será iniciada a partir do fim de semana. Lira ocupará espaço que é hoje reservado à imprensa, com acesso direto ao plenário.

Com a mudança, Lira não terá que passar mais pelo chamado Salão Verde antes de uma sessão, onde todos os presidentes, desde a década de 60, respondiam a questionamentos de profissionais de imprensa.

Ainda de acordo com Lira, o novo local reservado para imprensa será diferente do inicialmente projetado. Quando a decisão foi tomada, na semana passada, jornalistas ficariam no subsolo da Casa, segundo projeto da área técnica da Câmara. Agora, ficará em área hoje ocupada pela vice-presidência da Casa.

O presidente da Câmara diz que o tamanho da área será equivalente. Porém, não haverá mais acesso direto ao plenário aos jornalistas. Segundo arquitetos ouvidos pelo GLOBO, a obra descaracteriza o projeto original de Oscar Niemeyer.

No início da semana, os jornalistas foram informados que deveriam deixar o local nesta quinta-feira. O prazo foi prorrogado por um dia.

Em entrevista à TV Band na noite de quarta-feira, Lira afirmou que nunca teve a intenção de dificultar o trabalho da imprensa. Segundo ele, houve um “mal entendido”.

— Queria deixar claro que nunca tive a intenção de cercear o trabalho de imprensa, diminuir o acesso, deixar de conversar. Quando assumimos, já existia esse quadro proposto de remanejamento. Só não tinham tomado providência de resolver o problema da presidência da Câmara, que funciona com muita dificuldade. Você não pode reunir três, quatro pessoas na sala que não tem condições, não consegue arcar — disse Lira.

O deputado disse ainda que mudou de ideia sobre o espaço da imprensa após ser informado da distância entre o plenário e a sala de jornalistas. Ele, então, buscou uma alternativa. A obra deve ter duração de três meses.

— Encontramos uma alternativa que não será onde é hoje, mas será vizinho, parede com parede, que permitirá que a imprensa fique ao lado do gabinete do presidente da Câmara e ao lado do plenário, justamente ali compondo o coração da Casa para dar uma demonstração mais clara ainda que não temos e não vamos evitar acesso ao salão verde, o trabalho da imprensa, da livre comunicação. A partir de amanhã, esse mal entendido será solucionado, foi uma questão de comunicação e nós trabalharemos todos juntos — disse Lira.