Câmara diz que golpistas destruíram 400 computadores, em prejuízo de R$ 2,1 milhões

*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 08.01.2023 - Vândalos golpistas invadem a Praça dos Três Poderes e depredam os prédios.  (Foto: Gabriela Biló /Folhapress)
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 08.01.2023 - Vândalos golpistas invadem a Praça dos Três Poderes e depredam os prédios. (Foto: Gabriela Biló /Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Os golpistas que invadiram o Congresso Nacional no domingo (8) danificaram cerca de 400 computadores na Câmara dos Deputados, em um prejuízo estimado em R$ 2,138 milhões, segundo relatório preliminar divulgado pela Casa nesta terça-feira (10).

Os golpistas também quebraram 40 impressoras, duas TVs, duas viaturas, 11 telefones, vidros, cadeiras e outros itens, em perdas preliminares estimadas em R$ 3,04 milhões, sem contas as obras de arte. Se somadas aos danos causados ao Senado, o prejuízo parcial chega a R$ 7 milhões.

Os custos preliminares divulgados pela Câmara não consideram mão de obra e material. Além disso, segundo a Casa, outros bens danificados não constam dessa relação, como mesas de vidro do Salão Verde e da liderança do MDB, cadeiras do Colégio de Líderes, cadeiras das lideranças de PSDB, PT e MDB e a mesa de telefone do Colégio de Líderes.

Na relação de obras de arte destruídas está um vaso de porcelana que foi dado de presente pelo deputado László Kövér, presidente da Assembleia Nacional da República da Hungria, ao ex-presidente da Câmara Marco Maia em 27 de outubro de 2011.

Também ficou destruído um vaso de porcelana dado por Wang Zhaoguo, vice-presidente do Comitê Permanente da Assembleia Popular Nacional da China, a Marco Maia em 21 de março de 2012.

Os golpistas levaram uma pérola dada de presente pelo ministro das Relações Exteriores e vice-primeiro-ministro do Qatar Mohammed bin Abdulrahman Al-Thani ao ex-presidente Rodrigo Maia. O presente foi entregue em 8 de setembro de 2019, durante visita oficial ao Qatar.

Uma poltrona de Anna Maria Niemeyer e Oscar Niemeyer foi danificada.

Uma bola autografada pelo atacante da seleção brasileira Neymar está entre os itens roubados neste domingo. De acordo com técnicos da Câmara, o item estava em uma exposição alusiva à Copa do Mundo de 2022, no Qatar.

A bola foi presente da delegação de jogadores do Santos em visita à Câmara em 2012 por ocasião da sessão solene em comemoração ao centenário do clube. Neymar tinha 20 anos na época.

Na Câmara, trechos de carpete no Salão Verde foram furados, queimados ou danificados pela água. Importantes obras de arte da cultura brasileira foram avariadas. A obra "Bailarina", de Victor Brecheret, foi descolada da base. O "Muro Escultórico", de Athos Bulcão, foi perfurado na base.

No Senado, o prejuízo já é inicialmente estimado entre R$ 3 milhões e R$ 4 milhões -só a troca e a reposição dos vidros deve custar mais de R$ 1 milhão. A diretora-geral da Casa, Ilana Trombka, afirmou que será preciso trocar todo o carpete do Salão Azul, que foi encharcado pelos vândalos.

Os invasores urinaram em uma tapeçaria de Burle Marx que estava exposta, danificaram um tinteiro de bronze da época do Império, um quadro de 1890 que retrata a assinatura da Constituição, e uma mesa do Palácio Monroe, onde funcionou a segunda sede do Senado, no Rio de Janeiro.

A escultura "Painel Vermelho", de Athos Bulcão, também sofreu avarias. Segundo servidores responsáveis pela área de preservação do Senado, 20 ml da tinta usada para restauração da obra custam em torno de R$ 800.

O grupo depredou a antessala do presidente do Senado, mas não conseguiu entrar no gabinete. Os vândalos só conseguiram entrar na área privativa do gabinete do senador José Serra (PSDB-SP), que fica perto do plenário.