Casa Branca publica fotos de encontro entre Mike Pompeo e Kim Jong-un

Washington, 26 abr (EFE).- A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, publicou nesta quinta-feira fotos do encontro entre o novo secretário de Estado de dos Estados Unidos, Mike Pompeo, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em viagem à Coreia do Norte na Semana Santa.

As duas fotos publicadas por Sanders em sua conta do Twitter mostram Pompeo, que então era o diretor da CIA, e Kim apertando as mãos, em uma sala decorada com arte oriental.

"É ótimo ter Pompeo confirmado como secretário de Estado. Ele fará um excelente trabalho ajudando @POTUS (o presidente Donald Trump) a liderar nossos esforços para desnuclearizar a península norte-coreana", escreveu Sarah.

O governo de Trump tinha divulgado até agora poucos detalhes sobre o encontro entre Kim e Pompeo, que aconteceu o fim de semana de 31 de março e 1º de abril e serviu como antessala para a reunião que o presidente americano planeja ter com o líder norte-coreano no final de maio ou no início de junho.

O próprio Trump adiantou hoje que as imagens do encontro poderiam ser publicadas, durante uma entrevista por telefone com a emissora "Fox News".

"Temos fotos incríveis dos dois conversando e se reunindo. Adoraria publicá-las. Se pudermos, o faremos, de fato. Não é má ideia", afirmou Trump.

O presidente americano revelou que, quando Pompeo viajou à Coreia do Norte, "não tinha previsto se reunir com Kim Jong-un", mas "enquanto estava lá foram feitos os preparativos para que se encontrassem".

"Eles se deram bem. Estiveram juntos durante mais de uma hora", disse Trump, que afirmou que Pompeo também se encontrou com "seus colegas" da Coreia do Norte, sem detalhar se eram os responsáveis de inteligência ou da diplomacia.

Trump disse que está avaliando "três ou quatro" possíveis datas para a sua reunião com Kim, além de "cinco lugares" onde poderia acontecer o esperado encontro.

As fotos foram publicadas horas depois de o Senado americano confirmar Pompeo como secretário de Estado com 57 votos a favor e 42 contra. EFE