Câmara dos EUA continua rejeitando McCarthy apesar de apelo de Trump por união

Líder republicano Kevin McCarthy gesticula durante votação na Câmara dos Deputados dos EUA

Por David Morgan e Makini Brice

WASHINGTON (Reuters) - A Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, empacada em uma caótica batalha para decidir sua liderança, rejeitou a candidatura do republicano Kevin McCarthy para liderar a Casa mais duas vezes nesta quarta-feira, enquanto um pequeno grupo resistente no partido desafiou o pedido do ex-presidente Donald Trump por união.

Apesar do apelo de Trump, McCarthy não obteve votos suficientes para presidir a Câmara em duas votações consecutivas nesta quarta-feira, depois de perder três votações na terça-feira, já que cerca de 20 republicanos da ala mais à direita do partido se recusaram a apoiar um candidato que consideram ideologicamente não confiável.

Os apoiadores de McCarthy prontamente se mobilizaram para uma sexta votação, embora não estivesse claro qual caminho --se é que ele existe-- o parlamentar da Califórnia teria para garantir a maioria. A última vez que a Câmara não conseguiu eleger um presidente na primeira votação foi em 1923.

A luta pela liderança proporcionou um começo desanimador para a nova maioria republicana na Câmara, depois que o partido conseguiu garantir uma pequena maioria de 222 cadeiras a 212 nas eleições de meio de mandato em novembro. A briga interna ressalta os desafios que o partido pode enfrentar nos próximos dois anos no caminho às eleições presidenciais de 2024.

Os resultados foram idênticos em ambas as rodadas de votação na quarta-feira.

McCarthy, que é o principal republicano da Câmara desde 2019, obteve apenas 201 votos, enquanto 20 republicanos votaram no deputado Byron Donalds, um republicano da Flórida eleito pela primeira vez em 2020. Um republicano se recusou a apoiar um candidato específico. Todos os 212 democratas da Câmara votaram em seu líder, Hakeem Jeffries.

Para ser eleito presidente da Câmara, um deputado precisa no mínimo de 218 votos.

"Acho que o caminho é muito difícil agora para Kevin", disse Donalds à Fox News após a votação.

McCarthy disse que acabará por prevalecer.

"A conversa vai continuar. Chegaremos lá", disse McCarthy a repórteres antes da votação de quarta-feira.

Os adversários disseram que a luta pela liderança pode se arrastar por semanas.

"Vale a pena levar alguns dias ou algumas semanas para conseguir o melhor presidente possível", disse o deputado republicano Bob Good, um dos dissidentes.

A votação também foi um revés para Trump, que pediu aos colegas republicanos que deixassem de lado suas diferenças.

"Agora é hora de todos os nossos GRANDES membros republicanos da Câmara VOTAREM EM KEVIN", escreveu Trump em seu site de mídia social Truth Social na manhã desta quarta-feira, antes da primeira votação do dia.

Trump continua sendo uma figura influente entre os republicanos e até agora é o único candidato presidencial anunciado para 2024. Alguns no partido culparam Trump pelo fracasso dos republicanos em ganhar mais assentos no Congresso nas eleições de meio de mandato.

O desempenho mais fraco do que o esperado nas eleições de meio de mandato contribuiu para a crise de liderança da Câmara, deixando McCarthy dependente do apoio de um pequeno grupo linha-dura de seu partido. Esse grupo quer maior controle sobre a liderança e mais influência sobre a abordagem do partido aos gastos e dívidas.

O controle republicano da Câmara pode capacitar o partido a frustrar a agenda legislativa do presidente democrata Joe Biden. Mas o impasse da liderança levantou questões sobre se a Câmara será capaz de cumprir obrigações básicas, como financiar operações do governo, e muito menos avançar em outras prioridades políticas antes da eleição presidencial de 2024.

"Isso não parece bom", disse Biden sobre a luta pela liderança na Câmara, falando a repórteres na Casa Branca. "Não é uma coisa boa. Aqui são os Estados Unidos da América, e espero que eles trabalhem juntos."

(Reportagem de David Morgan, Richard Cowan, Doina Chiacu, Makini Brice, Moira Warburton, Gram Slattery e Trevor Hunnicutt)