Câmeras de segurança podem ajudar nas investigações da morte de Fernando Iggnácio

Exra
·1 minuto de leitura

O sistema de vigilância por câmeras da empresa HeliRio e das imediações pode ajudar a polícia a descobrir a autoria do atentado contra o bicheiro Fernando Iggnácio, morto na tarde desta terça-feira. Ele voltava de uma viagem a Angra dos Reis quando foi surpreendido por atiradores no pátio do heliporto, no Recreio dos Bandeirantes.

Só na guarita da HeliRio há três câmeras posicionadas para as entradas e a rua. Outra também pode ser vista no prédio principal, próximo de onde o contraventor foi baleado.

Do lado externo da empresa de fretamento de helicópteros também existem câmeras. Inclusive na entrada do terreno baldio que a polícia suspeita que pode ter servido de acesso para os atiradores. Ele fica colado ao heliporto.

Policiais da Delegacia de Homicídios que estiveram no local suspeitam que os disparos partiram do terreno, que é cercado por uma grade. Uma uma chapa solta no portão leva os investigadores a acreditar que foi por ali que os atiradores entraram.

— Até pouco antes dos tiros, essa chapa estava no lugar. Foram muitos tiros — disse um funcionário que cuida do terreno.

Agentes acreditam que Iggnacio foi alvejado por alguém que estava posicionado a cerca de cinco metros do alvo, e que tinha uma arma de grosso calibre.