Cães filhotes abandonados sem água e comida são resgatados por policiais civis em Tanguá

Após denúncia, policiais civis resgataram dois cães filhotes vítimas de maus-tratos na cidade de Tanguá, na região Metropolitana do Rio. Os animais foram encontrados presos em uma casa, sem água e comida, num cômodo sem iluminação e sujo de urina e fezes. Segundo apurado pelos policias da 70ª DP (Tanguá), eles estariam abandonados há pelo menos cinco dias.

Preconceito: Mãe denuncia caso de transfobia contra filha adolescente no Samba do Trabalhador

Exibição em vídeo: Após postagens nas redes sociais, PMs que faziam segurança de rapper Orochi são presos por porte ilegal de arma

Vizinhos alimentaram os cães atirando comida pela janela. Segundo relatos, os moradores da casa viajaram na semana anterior, deixando os filhotes sozinhos. De acordo com a Polícia Civil, os cães aparentavam estar subnutridos, infestados de pulgas e carrapatos e com sarna.

Os policiais trabalham para identificar e localizar os autores do abandono. Eles vão responder por maus-tratos a animais. Em 2020, a lei federal 14.064 alterou o artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais e aumentou a pena para o crime de maus-tratos a cães e gatos para reclusão dois a cinco anos de detenção, além de multa e proibição da guarda .Os filhotes foram encaminhados para atendimento veterinário.

Na cidade do Rio as vistorias para esse tipo de abandono são realizadas mediante o comunicado do 1746.

— Em 2022 tivemos cerca de 5.500 chamados de maus-tratos. Porém, em mais de 70% das demandas nós não constatamos maus-tratos. Nem toda a fiscalização é punitiva, muitas vezes ela é orientativa — disse Vinicius Cordeiro, secretário municipal de Proteção e Defesa dos Animais.

De acordo com a legislação municipal as vistorias onde se constatam maus-tratos podem gerar multa na forma da Lei N° 4.935/18 e em alguns casos, a prisão pela Lei Sansão. Muitas das ações de fiscalização da prefeitura do Rio são realizadas em conjunto com forças policiais.