Cúpula da democracia de Biden: lista de convidados coloca evento em xeque

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

WASHINGTON (Reuters) - O presidente Joe Biden está se preparando para cumprir uma importante promessa de campanha ao convocar a Cúpula para a Democracia: uma reunião inédita de mais de 100 países para ajudar a impedir retrocessos democráticos e a erosão de direitos e de liberdades em todo o mundo.

Mas os ativistas de direitos humanos têm dúvidas se o evento virtual irá forçar os líderes mundiais convidados, alguns deles acusados de autoritarismo, a tomar medidas significativas.

"Se a cúpula for mais do que apenas outra reunião, cada participante, incluindo os Estados Unidos, precisará cumprir compromissos importantes em questões de democracia e direitos humanos no próximo ano", disse Annie Boyajian, vice-presidente de política social e defesa de interesses na Freedom House, um grupo sem fins lucrativos especializado em direitos humanos e democracia.

Funcionários do governo dizem que o evento de dezembro é apenas o "lançamento" de uma longa conversa sobre democracia e que os países precisarão cumprir as reformas que prometeram caso queiram ser convidados para a próxima cúpula no ano que vem.

O evento --a ser realizado em 9 e 10 de dezembro e anunciado em seu primeiro discurso de política externa como presidente em fevereiro-- é um teste para Biden, que prometeu que os Estados Unidos voltariam à liderança global sob seu mandato para enfrentar as forças autoritárias lideradas por China e Rússia.

Uma lista provisória de convidados relatada pela primeira vez pelo Politico e confirmada por uma fonte familiarizada com o assunto mostra que o evento reunirá democracias maduras como a França e a Suécia, mas também países como Filipinas e Polônia, onde ativistas dizem que a democracia está sob ameaça. Na Ásia, alguns aliados dos EUA como Japão e Coreia do Sul foram convidados, enquanto outros como Tailândia e Vietnã não.

(Por Humeyra Pamuk e Simon Lewis)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos