Cúpula do Judiciário manifesta indignação, e Rosa diz que STF atuará para que terroristas sejam punidos

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A cúpula do Poder Judiciário brasileiro publicou nota conjunta manifestando indignação "ante os graves acontecimentos ocorridos neste domingo (8), com atos de violência contra os três Poderes da República e destruição do patrimônio público".

Assinaram o texto o STF (Supremo Tribunal Federal), o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o STJ (Superior Tribunal de Justiça), o TST (Tribunal Superior do Trabalho) e o STM (Superior Tribunal Militar).

Os tribunais também expressaram solidariedade às autoridades legitimamente constituídas "e que são alvo dessa absurda agressão", e reiteraram o compromisso de que o Poder Judiciário "seguirá firme em seu papel de garantir os direitos fundamentais e o Estado democrático de Direito, assegurando o império da lei e a responsabilização integral dos que contra ele atentem".

Já presidente do STF, Ministra Rosa Weber, disse que Suprema Corte "não se deixará intimidar por atos criminosos e de delinquentes infensos ao Estado democrático de Direito".

Em nota, ela disse que "o edifício-sede do STF, patrimônio histórico dos brasileiros e da humanidade, foi severamente destruído por criminosos, vândalos e antidemocratas".

"Lamentavelmente, o mesmo ocorreu no Congresso Nacional e no Palácio do Planalto. As sedes dos três Poderes foram vilipendiadas. O Brasil viveu neste domingo uma página triste e lamentável de sua história, fruto do inconformismo de quem se recusa a aceitar a democracia", afirmou.

Ela também disse que, desde que o ato foi anunciado, manteve contato com as autoridades de segurança pública, do Ministério da Justiça e do Governo do Distrito Federal.

Também acrescentou que os agentes do STF garantiram a segurança dos ministros da Corte, que acompanharam os episódios com imensa preocupação.

"O STF atuará para que os terroristas que participaram desses atos sejam devidamente julgados e exemplarmente punidos. O prédio histórico será reconstruído. A Suprema Corte não se deixará intimidar por atos criminosos e de delinquentes infensos ao estado democrático de direito", declarou.