Caboclo é punido com mais 20 meses de afastamento pela comissão de ética da CBF

·1 min de leitura

Afastado da presidência da CBF desde junho, Rogério Caboclo voltou a ser punido pela comissão de ética da entidade. O dirigente recebeu mais 20 meses de afastamento após um processo movido pelo diretor de tecnologia e informação da CBF, Fernando França. A informação é do site "Uol" e foi confirmada pelo GLOBO.

Com a nova punição, Caboclo soma 41 meses de afastamento. Ele já havia sido punido por outros 21 meses em processo motivado pela denúncia de assédio sexual de uma funcionária.

No processo de França, o diretor acusa Caboclo de assédio moral e de tentativa de espionagem por e-mail e telefone.

O mandato de Caboclo se encerraria em abril de 2023, portanto, a punição extrapola o tempo necessário para que ele reassuma o cargo a tempo. Com isso, a CBF deve ter novas eleições, processo que só deve ser iniciado após a notificação da punição. Caboclo nega a acusação de assédio moral e ainda pode recorrer, via Câmara Brasileira de Mediação e Arbitragem (CBMA).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos