Cabos e refletores são roubados de presépio na Glória, Zona Sul do Rio

Gisele Barros
·2 minuto de leitura
Foto: Ana Branco / Agência O Globo

O presépio montado na Praça Nossa Senhora da Glória, na Zona Sul do Rio, ficará sem iluminação após ladrões roubarem cabos e refletores do local. A decisão é do padre Wanderson Guedes, da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, responsável pela exibição.

— Roubaram os fios antes mesmo do Dia de Natal. Compramos tudo novamente. Aí roubaram de novo. Agora vamos deixar sem iluminação. Recolhemos os refletores que sobraram, pois eles levados também — lamenta o pároco, acrescentando que teme até mesmo que as esculturas sejam roubadas — Vamos ver se até semana que vem conseguimos deixar o presépio. Estou com receio deles levarem as imagens também.

Um dos autores do furto de cabos foi preso na terça-feira após ser flagrado por um policial militar que visitava o presépio com a família. Ele acionou agentes do programa Segurança Presente para o local e a equipe conseguiu deter o acusado. O homem foi levado para a 9ª DP e posteriormente para a 12º DP.

No dia 24, a reportagem do EXTRA esteve a praça e registrou um funcionário da Paróquia repondo cabos e refletores faltantes. Ele preferiu não se identificar, mas contou que o homem preso vivia em situação de rua e estava muito alterado quando cometeu o crime. Para padre Wanderson, o cenário é "consequências de um problema de desigualdade social tremendo que o país vem enfrentando".

— A população de rua cresceu de forma assustadora e tem muita gente sem perspectiva de vida. Aquela praça sempre foi lugar de pessoas em situação de rua, mas agora vemos famílias acampadas e usuários de drogas que invadiram o local. Todos perdem nessa história. Inclusive eles, que são os que mais sofrem. A falta de políticas públicas torna o Brasil cada vez mais desigual — ressalta o sacerdote.

Fazem parte da exposição da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus 16 figuras em tamanho natural, além de anjos e ovelhas. Nossa Senhora e o menino Jesus são negros e estão no meio da Floresta Amazônica, devastada pelo fogo.