Cacau do sul da Bahia é tema do Caminhos da Reportagem

Logo Agência Brasil
Logo Agência Brasil

Impossível falar da história da Bahia sem contar a história do cacau, principalmente no sul do estado. A região viu o auge e a decadência da matéria-prima do chocolate e agora vive uma nova fase de preocupação com a qualidade das amêndoas e dos processos de produção e trabalho. A equipe do Caminhos da Reportagem passou pelas fazendas centenárias de cacau e conheceu as mudanças no desenvolvimento do fruto que conquistou o mundo.

A fazenda Yrerê é uma das produtoras que decidiu investir nas amêndoas. O proprietário Gerson Marques focou no cacau fino e orgânico. “O caminho que nos resta é o da alta especialização, da alta qualidade, vender a um preço que vale a pena”, explica.

Notícias relacionadas:

O turismo de experiência foi outro caminho encontrado por Gerson para uma nova fonte de recursos, mas também para dividir o conhecimento do que é um chocolate de qualidade. Na fazenda, o visitante conhece todas as etapas do cacau e degusta um produto final único.

Depois que a vassoura-de-bruxa arrasou as plantações na década de 90, a quantidade deu lugar à qualidade. A gerente regional do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) em Ilhéus, Claudiana Campos, afirma que a região vive outra fase: “já saiu daquele momento de impacto, de desespero, de muito choro, de quem perdeu grande parte da sua riqueza e a gente está ressignificando isso”. Uma das conquistas foi o selo de indicação geográfica Sul da Bahia, que atesta a qualidade do chocolate produzido em 83 municípios da região.

Assentamento Dois Richões é um dos produtores de cacau da região
Assentamento Dois Richões é um dos produtores de cacau da região

Assentamento Dois Richões é um dos produtores de cacau da região - Reprodução/ TV Brasil

O assentamento Dois Riachões faz parte do selo e é um exemplo. Os antigos trabalhadores que eram explorados nas plantações nem sabiam o gosto do cacau, mas hoje, esse quadro mudou e eles são os próprios produtores.

Cerca de 40 famílias participam da colheita coletiva, do beneficiamento e produção de um chocolate próprio. “A gente conseguiu desenvolver o modelo que é rentável pro agricultor, ele consegue ter uma qualidade de vida vivendo no campo”, afirma o produtor Rubens Dário.

Até mesmo a época antiga do auge do cacau ainda rende frutos. As histórias contadas por Jorge Amado remontam à uma época que não volta mais, mas pode ser revisitada. A casa onde ele cresceu e passou a adolescência é um desses locais. Perto dali, também há o bar Vesúvio e o cabaré Bataclan, eternizados no livro caminho. “Jorge Amado talvez seja na literatura o tradutor, a pessoa mais importante e significativa que nós produzimos para falar sobre nós mesmos, porque ele é filho da região”, afirma o historiador André Luiz Rosa Ribeiro.

O turismo do cacau também é muito procurado. Na fazenda Provisão é possível conhecer da colheita ao beneficiamento e ainda se hospedar no lugar para uma experiência completa. Já o Meu Querido Spa desenvolveu terapias que usam o chocolate para fins estéticos e de relaxamento. E por toda a cidade é possível provar o prato principal dessa história: o chocolate.

O episódio Sorria, é cacau da Bahia!, do Caminhos da Reportagem, vai ao ar no hoje (6), às 22h, na TV Brasil.