Cachorro-Quente da Tia: 40 anos depois, hora de lançar food truck e contêiner

Era maio de 1982 quando Eny Matos, hoje com 82 anos, abriu, com o ex-marido, uma barraca de cachorro-quente na Praça Professora Camisão, na Freguesia, para complementar a renda e criar três crianças. De lá para cá, o negócio se consolidou como o Cachorro-Quente da Tia, transformou-se numa loja física, foi assumido pelo filho Hugo Matos, inaugurou a segunda unidade, na Taquara, tornou-se uma franqueadora em 2020 e, já em setembro daquele ano, viu a primeira franquia abrir as portas na Barra da Tijuca. Este mês é de celebração para a marca, que completa 40 anos. E mais novidades virão.

La Putaria: Marca que vende crepes em formato de órgãos sexuais chega ao Rio

Festas juninas: Veja uma seleção com 12 eventos na Barra da Tijuca e nos arredores

— O que mantém a empresa firme nessas quatro décadas é o cuidado com os clientes, os funcionários e os produtos que a minha mãe deixou como legado — conta Hugo Matos, que tinha 2 anos quando os pais começaram a vender lanches e assumiu o negócio há dez, aos 31. — Respiro cachorro-quente praticamente desde que nasci. Comecei a gerir o empreendimento junto com minha mãe aos 17 anos, após meu pai ir seguir a vida dele, e, desde então, coloco toda a minha energia em perpetuar a marca. Cinco anos depois, criei o primeiro CNPJ, assinei as carteira dos funcionários e contratei consultores para elaborar os processos de diferentes áreas da empresa, que vem crescendo anos após ano.

Além de formalizar o negócio, o empresário diz ter realizado seu maior sonho, que era ver sua mãe se aposentar:

— Eu cresci vendo minha mãe se dedicando muito ao trabalho e aos filhos, sem tempo para se divertir. Até os 30 anos do negócio, ela nunca havia viajado, por exemplo. Não queria que ela tivesse aquela rotina a vida inteira. Para que ela pudesse descansar, comecei a propor que chegasse mais tarde num dia, fosse embora mais cedo no outro... E isso foi virando rotina, até que ela passou a ir dia sim, dia não e perceber que nossa equipe poderia fazer um cachorro-quente igual ao dela, porque estava treinada para isso. Mas foi um desafio, porque ela é muito centralizadora, achava que ninguém ia ter o mesmo cuidado que ela.

Beleza saudável: Fisioterapeuta cria programa de rejuvenescimento sem intervenções invasivas

Vôlei: Escolinha que levou a praia para a Tijuca faz 25 anos

Atualmente, a marca comercializa 12 mil unidades de cachorro-quente por mês nas duas lojas próprias (Freguesia e Taquara) e está finalizando o contrato de locação para abrir, em até três meses, a segunda franquia, em Copacabana. Com a expansão, Hugo Matos prevê que o faturamento anual aumentará de R$ 4 milhões para R$ 5 milhões em 2022.

— Nosso plano é abrir mais um ponto de venda em formato de food truck até o fim do ano, e multiplicar esse modelo — revela. — Há anos já tínhamos interessados em serem nossos franquiados. Quando veio a pandemia, sem poder sair de casa, comecei a amadurecer a ideia e contratei um consultor para formatar a franquia.

A marca tem, ainda, um projeto formatado para pontos de venda em formato de contêiner.

Para comemorar os 40 anos, a marca criou uma promoção no Instagram. Ao longo do mês de maio, os clientes enviaram vídeos falando de um momento inesquecível que viveram no Cachorro-Quente da Tia. Os melhores estão no ar, e os seguidores podem votar na sua história preferida. O vencedor será anunciado na próxima quarta-feira (8), e terá direito a um mês de cachorro-quente grátis.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos