Do Cacique ao Catar: conheça autor de samba que pode embalar seleção para o hexa

Autor do samba que pode embalar a campanha pelo hexacampeonato na Copa do Mundo do Catar, o compositor de "A vitória demora mas vem", Juninho Thybau, 36 anos, é sobrinho de Zeca Pagodinho, e está na estrada da música popular há um bom tempo.

Pai de Heitor, de 4 anos, Thybau cresceu bebendo da melhor fonte do samba. Como sobrinho de Zeca, esteve nas melhores rodas. Hoje, promove uma mensal na porta da casa dele, chamada "Porta de Casa", em Irajá, zona norte do Rio de Janeiro. Normalmente se apresenta no Beco do Rato, na Lapa, e no Cacique de Ramos, aos domingos.

- A minha vida na música começou na minha casa, com meus avós, meus tios, meu pai, que também é compositor. Fomos criados em meio a serestas, samba, alegria. Sempre fui apaixonado por música, gostava de ouvir a música boa, os mais velhos - conta.

Juninho lembra, entretanto, que teve o sonho de criança de ser jogador de futebol. Mas que não foi adiante. Começou a jogar cedo e parou aos 16 anos.

Tabela da Copa: Datas, horários e grupos do Mundial do Catar

Simulador: você decide quem será campeão da Copa do Catar

Você escala: quais os seus 11 titulares do Brasil na Copa do Mundo

Guia interativo da Copa do Mundo: saiba tudo sobre os 831 jogadores que disputam o Mundial

- Também queria ser jogador de futebol, mas minha carreira foi curta. Comecei no ataque, fui para o meio, depois a lateral direita - conta.

- Daí em diante ganhei a rua, a rua me ganhou, rodei o Rio com muito samba. Hoje tem muita roda boa, no Cacique, Tia Ciça, Terreiro do Galo, e a minha na Porta de Casa - reforça o autor da música que teve um clipe gravado ao lado do tio.

Diogo Nogueira foi o primeiro artista de massa a gravar uma música de Juninho, exatamente "A vitória demora mas vem". Em seguida, participou do disco "Quintal do Pagodinho", com Zeca, entre outros nomes do samba, como Mariene de Castro.

- Sempre defendendo a bandeira do samba, com muito amor e respeito aos nossos mestre e à música.

Do Cacique de Ramos ao Catar, Juninho ajudará novamente a promover o samba brasileiro no mundo, agora através dos jogadores da seleção.