Cacique Raoni integra grupo diverso que subiu a rampa com Lula e Alckmin

Lula e Raoni e integrantes do grupo diverso que subiu a rampa com o petista

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seu vice, Geraldo Alckmin, subiram a rampa do Palácio do Planalto após a cerimônia de posse no Congresso acompanhados de suas respectivas esposas e de oito representantes da sociedade civil, incluindo o cacique Raoni Metuktire, influente liderança indígena do povo Kayapó.

Também fazem parte do grupo Aline Sousa, de 33 anos, diretora de uma rede de catadores; Francisco, de 10 anos, cujos pais atuam em causas sociais, o metalúrgico do ABC Weslley Viesba Rodrigues Rocha, de 36 anos; o professor de português Murilo de Quadros Jesus, 28 anos; a cozinheira Jucimara Fausto dos Santos; Ivan Baron, jovem com paralisia cerebral que é ativista da luta pela inclusão, e Flávio Pereira, 50 anos, que participou ativamente do acampamento Lula Livre durante a prisão de Lula em Curitiba.

A cachorra Resistência, de Lula e sua esposa Janja, que segundo a primeira-dama foi resgastada no acampamanto de Curutiba, também acompanhou o grupo na subida da rampa.

O cerimonial carregou no simbolismo da sociedade civil e as bandeiras defendidas por Lula sobre diversidade em um momento da posse em que tradicionalmente o mandatário de saída passa faixa presidencial ao sucessor. O agora ex-presidente Jair Bolsonaro não participou do rito, no entanto. O político de extrema direita, que jamais reconheceu a derrota para o petista, deixou o Brasil rumo à Flórida na sexta-feira.

(Por Redação Brasília; edição de Flávia Marreiro)