Cadê a loja que estava aqui?

Fabio Codeço
·6 minuto de leitura
reprodução

Ao longo deste conturbado 2020, chefs e empresários da gastronomia foram obrigados a promover enormes esforços de adaptação. Por razões variadas (valor de aluguel, busca de visibilidade, oportunidade), muitas casas mudaram de endereço em plena pandemia. Não se perca: elencamos, a seguir, seis estabelecimentos que deixaram seus imóveis originais, mas seguem atendendo os fregueses em outros pontos.

O Rio Gastronomia é uma realização do jornal O GLOBO com apresentação do Senac RJ e do Sesc RJ, patrocínio master do Santander, patrocínio de Naturgy e Stella Artois, apoio do Gosto da Amazônia, Água Pouso Alto e Getnet, e parceria do SindRio.

Conflor

Depois de uma passagem pelo Cosme Velho, a confeitaria vegana voltou ao seu lugar de origem: a Fábrica da Bhering, em Santo Cristo. Charmoso, o ponto, que também funciona como café, serve doces sem ingredientes de origem animal, preparados por Luisa Mendonça com leites vegetais feitos na casa e massas batidas à mão. Sugestão imperdível, a torta nuvem de morango (R$ 14,50) é recheada de levíssimo chantilly vegetal de morango e creme de avelã vegano. Outra dica, a torta banoffe, de banana e doce de leite de castanha-de-caju, é coberta com chantilly vegetal e raspas de chocolate vegano (R$ 14,50). Para quem preferir começar com um salgado, a casa também prepara receitas como a empadinha de carne de jaca (R$ 8,90) e o sanduíche de hommus e salada de broto, tomate e cenoura pão de fermentação natural (R$ 26,90). O cafezinho (R$ 5,50) fecha o pacote.

Fábrica Bhering, Rua Orestes, 28, 3º piso – tel 98167-7220. Sáb. das 13h às 18h.

Dida Bar

Empreitada de Dilma Nascimento, a Dida, na Praça da Bandeira, o estabelecimento, que, em tempos de normalidade, reúne turma animada em torno de samba, jongo e cerveja gelada, ganhou mais espaço. Às vésperas da pandemia, Dida transferiu seu estabelecimento para o outro lado da Rua Barão de Iguatemi e o instalou no imóvel onde funcionou por quase duas décadas o Aconchego Carioca. Na casa de fachada amarela, a clientela se divide no salão e em uma área externa para saborear o apetitoso cardápio de receitas afro-brasileiras. A costelinha marinada na cerveja, servida com chips de jiló e de batata, molho de abacaxi e torresmo de porco (R$ 28,50), é um dos destaques na ala dos petiscos. Depois, prove pratos da culinária africana como o mufete (R$ 90). Típico de Luanda, capital angolana, o pedido traz peixe assado guarnecido de vinagrete, feião de óleo de palma, mandioca, batata-doce e farofa de dendê.

Rua Barão de Iguatemi, 379, Praça da Bandeira – tel. 2504-0841. Qua. das 16h à meia-noite. Qui. a sáb. do meio-dia à meia-noite. Dom. do meio-dia às 18h.

Gero

Depois de 18 anos no imóvel de tijolinhos na esquina das ruas Aníbal de Mendonça e Barão da Torre, em Ipanema, a filial carioca do restaurante mais clássico do Grupo Fasano se mudou – dará lugar ao Gero Panini, mais despojado. Desde novembro, o italiano serve seus clientes no lugar do extinto Fasano Al Mare, no térreo do hotel do grupo, no mesmo bairro. Reformado pelo arquiteto Miguel Pinto Guimarães, o salão ganhou mais aconchego com pilastras em tom de cobre e mobiliário de madeira. Mas o maior destaque é a nova varanda de frente para o mar. No cardápio seguem brilhando receitas irretocáveis preparadas pelo chef Luigi Moressa, profissional responsável pela abertura da casa no Rio, em 2002. Depois de entradas como o clássico carpaccio alla gero, de filé coberto por rúcula, parmesão e vinagre balsâmico (R$ 75), uma sugestão sem erro para o prato principal é gnocchi de batata dourado em panela com lulas e vieiras (R$ 122).

Avenida Vieira Souto, 80 (Hotel Fasano), Ipanema – tel. 3202-4000. Seg. a qui. do meio-dia às 15h e das 19h às 23h. Sex. e sáb. do meio-dia às 16h e das 19h à meia-noite.

Giuseppe Grill

Não se assuste caso passe pelo antigo endereço da steakhouse no Centro e veja as portas fechadas. Na reabertura pós-flexibilização, a filial da casa de carnes do restaurateur Marcelo Torres passou funcionar dentro do Giuseppe, endereço italiano do mesmo empresário, logo ao lado. Os dois negócios agora dividem o cardápio, que traz pedidas como a capa de filé aperitivo (R$ 64), uma entrada, deliciosa exclusividade desta unidade. Também estão lá os esmerados cortes da marca, como a maminha (R$ 96) e a picanha suprassumo (R$ 124), pedidos que dão direito a um acompanhamento. Arroz maluco, batata portuguesa e farofa de banana são alguns exemplos.

Rua Sete de Setembro, 65, Centro – tel. 3575-7474. Seg. a sex. das 11h30 às 16h.

L’ Éclair Shop

Reduto de deliciosos éclairs (como os franceses, inventores do doce, chamam as bombas), a charmosa lojinha encerrou as atividades no Largo do Machado no dia 5 de dezembro e, menos de duas semanas depois, abriu as portas em ponto mais amplo. Desde o dia 18 de dezembro, ocupa o térreo da galeria no número 540 da Rua Visconde de Pirajá, em Ipanema. A casa tem o dobro de espaço e mesinhas com seis lugares. A produção ainda é feita à vista do cliente e mais opções entraram na vitrine. Deliciosa e delicada, a receita da casa aparece em versões como caramelo salgado, lavanda e café, além de uma pedida inédita a cada mês. A unidade custa R$ 12,50 (ou R$ 7, na versão míni). Uma dica: não perca as opções salgadas, servidas às quintas em dois sabores: tapenade de queijo de cabra com tomate confitado ou presunto de Parma, queijo emmental, molho de cornichon (pepino em conserva) e rúcula. Cada pedido sai a R$ 14.

Rua Visconde de Pirajá 540, Ipanema – tel. 98560-3456. Ter; a sáb., do meio-dia às 17h.

Medusa Urbana Vinhobar

Ponto dos mais charmosos na Fábrica da Bhering, o bar de vinhos fechou definitivamente a matriz durante pandemia. Em compensação, inaugurou em Laranjeiras essa nova unidade. A ideia é oferecer rótulos da bebida em pegada mais descontraída, a preços acessíveis e com foco na produção nacional. No ambiente revestido pelo vermelho das cortinas de teatro, com móveis contemporâneos e plantas pendentes, bebem-se taças a partir dos R$ 15. Produzido na Serra Gaúcha pela enóloga Janaína Massarotto, o Moscato Giallo Chardonnay sai a R$ 18. Outras descobertas locais são os drinques como a caipirinha de cachaça Magnífica com limões tahiti e siciliano, adoçada com xarope artesanal de cabernet sauvignon (R$ 19). Para acompanhar, a lista de comes oferece, entre outras pedidas, dadinhos de tapioca com calabresa (R$ 28).

Rua das Laranjeiras, 336, loja D, Laranjeiras – tel. 97903-9385. Qua. a sáb., das 17h à meia-noite.