A cada dia, 30 crianças e adolescentes são assassinados no Brasil

Movimentação no túmulo da garota Isabella Nardoni no Cemitério Parque dos Pinheiros em São Paulo, SP. Foto: Haroldo Junior/Futura Press

Todos os dias, 30 crianças e adolescentes são assassinados no Brasil. Dados do departamento de informática do Sistema Único de Saúde (Datasus) mostram que em 2015 foram registrados 10,9 mil homicídios com menores de 19 anos, o que corresponde a um quinto de todas as vítimas de assassinatos no país.

As conclusões constam no relatório “A Criança e o Adolescente nos ODS”, divulgado pela Fundação Abrinq.

Ele aponta que o número de crianças e adolescentes assassinados mais que dobrou em 15 anos. Em 1990 foram sido registrados cerca de 5 mil mortes de menores de 19 anos; em 2015, foram quase 11 mi.

O Brasil é o terceiro país mais violento para crianças e adolescentes de 10 a 14 anos em uma lista de 85 nações, com uma taxa de 4,3 homicídios por 100 mil habitantes.

“As vítimas têm cor, classe social e endereço. São em sua maioria meninos negros, pobres, que vivem nas periferias e áreas metropolitanas das grandes cidades”, afirma o relatório da Fundação Abrinq.

A Bahia é o estado com o maior número de vítimas de assassinato menores de 19 anos: 1.233, comparando-se apenas números absolutos. Na sequência estão Rio de Janeiro (1.002), Ceará (900), São Paulo (839) e Minas Gerais (861).

A pesquisa analisa o cumprimento dos objetivos de desenvolvimento sustentável propostos pela ONU para os 193 países signatários, como o Brasil, até 2030.