Cada vez mais depressivo com derrota, Bolsonaro preocupa amigos

Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)
Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

O presidente Jair Bolsonaro (PL) saiu derrotado na sua tentativa de reeleição e desde então tem tido um comportamento diferente do habitual, o que tem preocupado amigos e aliados.

"Ele acreditava que haveria alguma mudança no quadro político, por conta das manifestações à porta dos quartéis e nas rodovias, mas acho que percebeu que não tem jeito", disse um amigo do presidente ao jornalista Chico Alves, do portal UOL.

A fonte que opinou à coluna é um amigo do mandatário que esteve com ele no último fim de semana, na formatura de cadetes da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), no Rio de Janeiro, e que mantém contato frequente por telefone.

Além disso, de acordo com o jornalista Chico Alves, pessoas próximas afirmaram que a antecipação da diplomação do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), marcada para 12 de dezembro, fez Bolsonaro ficar ainda mais abatido.

"À medida que a mudança de governo se aproxima, ele nota que a situação é irreversível. A tristeza dele é preocupante, talvez seja caso médico”, falou um político que esteve recentemente com o presidente.

Para o parlamentar, o mandatário teme “retaliações” do Poder Judiciário quando deixar a Presidência, especialmente por parte do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal).

Amigos e aliados têm criticado também a postura do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), que foi ao Catar para acompanhar a Copa do Mundo mesmo diante da situação difícil do pai.

PL

O presidente do PL, Valdemar Costa Neto, está surpreso com a fragilidade de Jair Bolsonaro (PL) após um mês da derrota nas urnas. A expectativa, segundo coluna de Guilherme Amado, do Metrópoles, era de que o mandatário despertasse para o papel de líder da oposição ao futuro governo Lula (PT).

A mudança de postura e fim da apatia, nas esperanças de Valdemar, aconteceria durante o jantar organizado pelo partido para as bancadas da Câmara e do Senado, na terça-feira (29). O presidente, no entanto, mal falou no evento.

A situação, somada ao silêncio de Bolsonaro desde que perdeu as eleições, evidenciou para Valdemar de que o mandatário terá pouca capacidade e disposição de comandar a oposição. Esse lugar, inclusive, já está sendo disputado pelo filho, Eduardo Bolsonaro, e por Carla Zambelli.