Cade abre inquérito para apurar possível 'ação orquestrada' de postos no aumento do preço dos combustíveis

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) pediu nesta quarta-feira a instauração de inquérito para apurar possíveis irregularidades na alta de preços de combustíveis em diferentes localidades no país. Alexandre Cordeiro, presidente do Cade, vê indícios de “ação orquestrada” e ‘’infração da ordem econômica’’ com a elevação desordenada nos preços já neste ano.

O ofício cita, como exemplos, aumentos repentinos e suspeitos no Distrito Federal, Espírito Santo, Pernambuco e Minas Gerais, logo após a mudança de governo.

• Preço elevado: Senacon já notificou oito entidades de postos para explicar aumento no preço da gasolina

• Jean Paul Prates: Indicado para a Petrobras descarta intervenção nos preços dos combustíveis

Como base para as suspeitas, Cordeiro menciona no documento reportagens jornalísticas que indicam altas, por exemplo, de até R$ 1,00 por litro de combustível em algumas localidades, no momento da transição de governo.

— Os fatos supostamente ilícitos, se assim comprovados, configuram crime contra a ordem econômica (...) devendo o Ministério Público Federal tomar conhecimento deste despacho e da investigação a ser aberta para que, caso entenda conveniente, adotar as medidas cabíveis para a persecução penal — cita Cordeiro no ofício.

Guia interativo: Confira quanto economizar com ar-condicionado, manutenção e marcha certa

A solicitação para abertura de Inquérito Administrativo foi encaminhada nesta quarta-feira para a Superintendência-Geral do Cade, área responsável pela investigação de eventuais ilícitos no âmbito da livre concorrência de mercado.