Caetano Veloso: 'A arte está sendo espezinhada pelo governo'

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

RIO - Caetano Veloso lançou nesta quinta-feira, 16, o single "Anjos tronchos", nas plataformas de streaming. A música faz parte do "Meu coco", o primeiro álbum de inéditas desde "Abraçaço", de 2012. e que sairá "nos próximos meses". Para lançar a música, o compositor baiano participou de um bate-papo no Spaces, uma ferramenta do Twitter, com participação da jornalista Flávia Oliveira, Evandro Fióti e Nina da Hora. Na conversa, que começou 21h e foi até perto da meia-noite, ele criticou o governo Bolsonaro, lamentou o estado da cultura no país e analisou a influência da internet na política.

"Anjos tronchos" tem como tema a tecnologia e traz versos como "Uns anjos tronchos do Vale do Silício / Desses que vivem no escuro em plena luz / Disseram: vai ser virtuoso no vício / Das telas dos azuis mais do que azuis" e "Agora a minha história é um denso algoritmo".

Refletindo o impacto da internet em nossas vidas, Caetano passeia por temas como as fakes news, a violência nas redes ("Um post vil poderá matar", canta ele), a influência dos algoritmos ("Agora a minha história é um denso algoritmo/ Que vende venda a vendedores reais") e até as revoltas da Primavera Árabe.

Na conversa, o compositor contou que a canção foi tomando forma aos poucos, sem que ele mesmo tivesse certeza de que iria completá-la. A letra, explicou ele, é uma referência ao "anjo torto" de Carlos Drummond de Andrade.

- Não é um assunto que conheço muito, mas fiquei com essa necessidade de escrever uima canção sobre o assunto - disse. - Uma das motivações era política, fala dessas coisas horrendas que aconteceram na vida política de várias sociedades, por causa da força dessa estrutura que nasceu com a internet. É uma canção sobre algo que está acontecendo no mundo todo e é muito pesado.

A canção faz menção às eleições presidencias americanas e brasileiras de 2016 e 2018, muito marcadas pelas fake news. Remete a Donald Trump e Jair Bolsonaro nos versos "Palhaços líderes brotaram macabros/ No império e nos seus vastos quintais".

- A campanha de Trump, na qual Bolsonaro se inspirou, causa uma doença social, um aspecto apavorante e horrendo nesse desenvolvimento das redes sociais - disse Caetano. - O império vive na carne esse problema, mas aconteceu também nos seus vastos quintais. Aconteceu no Brasil, nas Filipinas, na Polônia...

O cantor também falou sobre o governo Bolsonaro e sua relação com a cultura. No último dia 7, ele fez uma breve interrupção no show que apresentou na cidade do Porto, em Portugal, para manifestar repúdio pelos atos antidemocráticos convocados pelo presidente naquele dia, e depois puxou coro por "Fora, Bolsonaro" com a plateia.

- A cultura está sendo muito maltratada - disse Caetano, no Spaces. - A arte está sendo espezinhada pelo governo e seus representantes, o que é uma tragédia como um país inspirado como o nosso. O Brasil está vivendo uma ressaca dessa eleição. A maioria da população rejeita Bolsonaro, mas ele é o presidente.

No final da música, ele ainda faz referência à cantora californiana Billie Eilish, que ele disse admirar na entrevista.

O vídeo de "Anjos tronchos" chegará ao YouTube às 20h de sexta, quase 24h após o lançamento oficial da música. Caetano não chegou a antecipar detalhes sobre o álbum "Meu coco". Mas, segundo Mauro Ferreira, colunista do "G1", "Meu coco" terá 12 faixas inéditas na extensa discografia de Caetano. Três delas já são conhecidas: "Pardo", que ele compôs para o disco mais recente da cantora paulistana Céu; "Autoacalanto", homenagem ao neto Benjamim que foi apresentada na live natalina de Caetano; e "Noite de cristal", gravada originalmente pela irmã Maria Bethânia no disco "Maria" (1988), também interpretada por ele na última live.

Ainda de acordo com Ferreira, "Meu coco" contará com músicos como o ritmista Marcelo Costa, o percussionista Marcio Victor (do Psirico), o sanfoneiro Mestrinho e o multi-instrumentista Vinicius Cantuária. O álbum, que marca o início da parceria de Caetano com a gravadora Sony Music, ainda não tem data confirmada, mas a expectativa é que sai entre outubro e novembro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos