Café, açúcar e ovo se tornam os vilões das compras nos supermercados

·1 min de leitura
Caixa com dúzia de ovos
Indicador Abrasmercado analisou o período de janeiro a setembro deste ano

(Getty Images)

  • Pó de café, açúcar e ovo são os produtos que mais aumentaram de preço nos últimos nove meses

  • Arroz, que apresentou alta significativa em 2020, sofreu queda de 14,5%

  • No último ano, o item que mais subiu foi o frango congelado

Os consumidores brasileiros tiveram que desembolsar valores maiores para adquirirem pó de café, açúcar e ovo nos últimos nove meses. Os itens registraram a maior alta de preços no período, segundo o indicador Abrasmercado, da Abras (Associação Brasileira dos Supermercados).

Leia também:

Abaixo, a lista com os nove produtos que mais subiram entre janeiro e setembro deste ano:

• Café (33,9%);

• Açúcar (30,3%);

• Ovo (22,5%);

• Frango congelado (21,3%);

• Carne dianteiro (12,9%);

• Carne traseiro (8,9%);

• Leite longa vida (4,9%);

• Feijão (1,8%); e

• Óleo de soja (1,5%).

O arroz, que teve alta de 76% em 2020 e foi um dos maiores vilões no quesito preço entre os alimentos básicos, apresentou uma queda de 14,5% no período.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (12) e avaliam o comportamento dos preços de 35 produtos amplamente consumidos.

Frango é o item que mais subiu em um ano

No período de setembro de 2020 a setembro de 2021, o alimento que mais sofreu com a alta nos preços foi o frango congelado, com aumento de 40,2%.

Em seguida, aparecem novamente o açúcar (38,8%), o café (37,1%) e o óleo de soja (34,9%). Carne dianteira (28,7%), ovo (27,7%), carne traseira (26,0%), pernil (9,0%) e feijão (8,8%) compõem a lista dos alimentos que mais subiram de preço no último ano.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos