Cai neve numa Kiev às escuras e sem aquecimento

Os residentes na capital da Ucrânia acordaram com vários centímetros de neve este sábado de manhã, num sinal de que o frio do inverno está a instalar-se e numa altura que os cortes de energia são recorrentes devido a ataques de mísseis russos.

As autoridades têm alertado as populações para um inverno muito duro não só em Kiev como noutras regiões sem eletricidade, aquecimento ou água e até mesmo sem comunicações.

Julija Zelena, residente em Odessa diz: "Está a tornar-se cada dia mais difícil, porque os russos estão a bombardear as nossas infraestruturas. Também não existe hoje qualquer ligação telefónica. A minha mãe vive noutra cidade, eu vivo em Odessa. Esta manhã tentei ligar-lhe a toda a hora, para lhe dizer que estava tudo bem, mas não consegui ligação".

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, garante que os engenheiros estão a trabalhar para reparar a rede elétrica em Kiev e nas 17 províncias onde as infraestruturas foram atacadas, mas é pouco provável que os ucranianos sejam poupados a um terrível inverno.

A Rússia tem concentrado os ataques a infraestruturas energéticas da Ucrânia durante o último mês, causando escassez e cortes de energia em todo o país.

O Kremlin responsabilizou esta semana os apagões e o seu impacto civil pela recusa de Kiev em negociar com Moscovo, e não pelos ataques com mísseis russos.

Volodymyr Zelensky rejeitou na sexta-feira a ideia de uma "curta trégua" com a Rússia, dizendo que isso só iria piorar as coisas.

"A Rússia procura agora uma breve trégua, uma pausa para recuperar forças. Alguém pode chamar a isto o fim da guerra, mas tal trégua só agravará a situação", disse o presidente ucraniano numa declaração no Fórum Internacional de Segurança de Halifax, no Canadá, acrescentando: "Uma paz verdadeiramente real, duradoura e honesta só pode ser o resultado da completa demolição da agressão russa", disse Zelensky.