Caiado se desentende com manifestantes ao desaconselhar ato por conta do coronavírus

Naira Trindade

BRASÍLIA — Um dos governadores mais próximos ao presidente Jair Bolsonaro, Ronaldo Caiado (DEM) fez um apelo à população de Goiânia durante as manifestações deste domingo para não se aglomerarem na Praça Cívica afim de evitar a proliferação do novo coronavírus. Imagens que circulam pela internet mostram o governador ordenando a retirada de carro de som do local. O pedido foi foi mal recebido pelos manifestantes e Caiado saiu do evento sob vaias.

O vídeo publicado nas redes sociais de um dos manifestantes mostra Caiado com um microfone nas mãos, pedindo a saída do carro de som. Em seguida, o governador se irrita, diz não precisar dos votos dos manifestantes e frisa ser médico e "tratar de vidas".

— É um risco para a população. Estão entendendo bem? Essa é minha ordem e minha ordem será seguida. Não preciso dos seus votos. Eu sou médico, eu trato é de vidas. Eu trato é de vidas. Quando seu filho estiver doente, você vai me procurar como médico. Não tem carro de som. Não tem carro de som. Isso aqui vai contaminar todo mundo — afirmou.

Nos últimos dias, Caiado assinou um decreto estabelecendo procedimentos preventivos de emergência a serem adotados pelo Poder Executivo e seus servidores, em razão da situação de pandemia do Covid-19. Goiás tem quatro casos confirmados e a situação ainda não é considerada “transmissão comunitária”, quando não é mais possível identificar de onde veio o vírus.

Uma das medidas anunciadas por Caiado era a suspensão de eventos públicos, como cursos, seminários e formaturas organizadas pelo estado. Ele também decretou o cancelamento de shows. A maior feira de tecnologia rural do Centro-Oeste será adiada. O Campeonato Goiano não está cancelado, mas não terá público nas arquibancadas. Somente participarão dos jogos, as equipes, técnicos, suporte, e profissionais de mídia. Procurado, Caiado não retornou às ligações.