Caixão da rainha chega ao Palácio de Buckingham após viagem acompanhada por multidão nas ruas de Londres

Multidão acompanha passagem do caixão da rainha Elizabeth por ruas de Londres até o Palácio de Buckingham

Por Angus MacSwan e Padraic Halpin

LONDRES/BELFAST, 13 Set (Reuters) - O rei Charles e membros da família real receberam o caixão da rainha Elizabeth no Palácio de Buckingham nesta terça-feira, depois que dezenas de milhares de pessoas lotaram as ruas de Londres sob forte chuva para marcar sua chegada à capital britânica.

Em uma noite escura, o carro funerário bem iluminado seguiu lentamente de um aeroporto próximo através de Londres, com multidões ao longo da rota, alguns no meio das ruas, outros jogando flores, e muitos abandonando seus carros ou correndo de ruas próximas para ver o cortejo.

Ao entrar nos terrenos do palácio londrino, os batedores da polícia que lideravam o caminho pararam para abaixar a cabeça.

Charles, que se tornou rei automaticamente com a morte de sua mãe na semana passada, recebeu o caixão junto com seus três irmãos, seus dois filhos, William e Harry, e outros membros da família real, disse um porta-voz do palácio.

Elizabeth morreu em paz na quinta-feira em sua casa de férias no Castelo de Balmoral, nas Terras Altas da Escócia, aos 96 anos, mergulhando a nação em 10 dias de luto.

A morte da monarca mais longeva do Reino Unido levou centenas de milhares de pessoas a se reunirem em palácios reais em todo o país para expressar suas condolências.

A princesa Anne, a única filha mulher da rainha, viajou com o caixão, primeiro do remoto castelo de Balmoral para Edimburgo, onde foi recebido por dezenas de milhares de pessoas de luto, e depois quando foi levado para Londres.

"Foi uma honra e um privilégio acompanhá-la em suas jornadas finais", disse Anne em comunicado. "Testemunhar o amor e o respeito demonstrados por tantos nestas jornadas tem sido ao mesmo tempo honroso e edificante."

Em Edimburgo, um grupo de militares da Força Aérea Real levou o caixão para um avião. Uma guarda de honra de kilt do Regimento Real da Escócia estava com as baionetas fixas enquanto uma banda do regimento tocava o hino nacional enquanto o avião começava a taxiar. Com isso, a Escócia se despediu da rainha.

Na quarta-feira, o caixão será levado em uma carruagem de armas como parte de uma grande procissão militar para o Salão de Westminster, no Parlamento, onde um velório de Estado começará até o funeral na segunda-feira.

Membros do público poderão passar pelo caixão durante 24 horas por dia até a manhã do funeral, que contará com a presença de dezenas de líderes mundiais, incluindo o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e o presidente Jair Bolsonaro.

RECONCILIAÇÃO

Como parte dos dias de luto, o rei Charles também está viajando para as quatro partes do Reino Unido.

Milhares de simpatizantes o cumprimentaram na Irlanda do Norte nesta terça-feira, com apertos de mão, sorrisos e palavras calorosas enquanto ele caminhava entre as pessoas que se aglomeravam nas ruas do lado de fora do Castelo de Hillsborough, a residência oficial do monarca na província.

A visita foi carregada de significado político dado o recorde histórico do Reino Unido na Irlanda e os mais recentes anos de violência na Irlanda do Norte.

Em uma cerimônia no Castelo de Hillsborough, o orador interino da Assembleia da Irlanda do Norte, Alex Maskey, prestou uma homenagem à rainha.

"A rainha Elizabeth não foi uma observadora distante na transformação e no progresso das relações nessas ilhas e entre elas", disse Maskey, membro do Sinn Fein, que busca a reunificação da Irlanda.

"Ela demonstrou pessoalmente como atos individuais de liderança positiva podem ajudar a quebrar barreiras e encorajar a reconciliação", disse.

Maskey, que foi detido pelas autoridades como suspeito de integrar o Exército Republicano Irlandês na década de 1970, disse que Charles já havia demonstrado que entendia a importância da reconciliação e estava comprometido com ela.

Em 2011, Elizabeth se tornou a primeira monarca britânica a visitar a República da Irlanda desde a independência quase um século antes.

Charles, dirigindo-se a políticos de alto escalão no castelo, disse estar comprometido com o bem-estar de todo o povo da Irlanda do Norte. Ele também prestou homenagem à rainha Elizabeth.

"Minha mãe viu a Irlanda do Norte passar por mudanças importantes e históricas. Ao longo de todos esses anos, ela nunca deixou de orar pelos melhores tempos para este lugar e para seu povo, cujas histórias ela conhecia, cujas tristezas nossa família sentiu e por quem ela tinha um grande carinho e consideração", disse.

(Reportagem adicional de Amanda Ferguson, em Belfast)