Caixão da rainha Elizabeth é colocado em cripta antes de enterro privado

Caixão da rainha Elizabeth na entrada de capela do Castelo de Windsor

Por Michael Holden e Kate Holton e Alistair Smout

LONDRES (Reuters) - O caixão da rainha Elizabeth foi colocado em uma cripta no Castelo de Windsor, seu último local de descanso, nesta segunda-feira, após um dia de pompa incomparável que atraiu líderes mundiais ao seu funeral e multidões às ruas para dizer adeus a uma monarca reverenciada.

Centenas de milhares de simpatizantes acompanharam a rota do carro fúnebre a partir de Londres, jogando flores e aplaudindo enquanto passava da cidade para o campo inglês que ela tanto amava.

Muitos outros se amontoaram na capital para testemunhar a procissão, em uma comovente homenagem à monarca mais longeva do Reino Unido, que conquistou o respeito global durante 70 anos no trono.

Dentro da majestosa Abadia de Westminster, onde o funeral foi realizado, cerca de 500 presidentes, primeiros-ministros, membros de família real estrangeira e dignitários, incluindo Joe Biden dos Estados Unidos, estavam entre o grupo de 2.000 pessoas reunidas.

Mais tarde, a atenção mudou para a Capela de São Jorge no Castelo de Windsor, onde cerca de 800 convidados compareceram a uma cerimônia antes de seu enterro.

Terminou com a coroa, orbe e cetro - símbolos do governo e poder do monarca - sendo retirados do caixão e colocados no altar.

O Lord Chamberlain, autoridade mais graduada da casa real, então quebrou sua 'varinha de ofício', significando o fim de seu serviço ao soberano, e a colocou no caixão antes da lenta descida para a cripta real.

Enquanto o grupo reunido cantava o hino nacional, o rei Charles parecia estar lutando contra as lágrimas.

No final da noite, em uma cerimônia privada à família, o caixão de Elizabeth e o de seu marido de mais de sete décadas, o príncipe Philip, que morreu no ano passado aos 99 anos, serão enterrados juntos na mesma capela onde os pais e irmã da rainha, a princesa Margaret, também estão.

Foi no mesmo vasto edifício que a rainha foi fotografada de luto por Philip sozinha durante lockdown da pandemia, reforçando a sensação de uma monarca em sincronia com seu povo durante um período de provação.

MULTIDÃO ACOAMPANHA

No funeral, Justin Welby, arcebispo de Canterbury, disse aos presentes que a dor sentida por tantos no Reino Unido e no mundo refletia a "vida abundante e serviço amoroso" da falecida monarca.

"Sua falecida majestade declarou em uma transmissão de aniversário de 21 anos que toda a sua vida seria dedicada a servir a nação e a Commonwealth", disse ele.

"Raramente uma promessa como essa foi tão bem cumprida. Poucos líderes recebem a demonstração de amor que vimos."

A música que tocou no casamento da rainha em 1947 e em sua coroação seis anos depois voltou a soar.

Após o funeral, seu caixão com a bandeira foi puxado por marinheiros pelas ruas de Londres em uma carruagem de armas em uma das maiores procissões militares vistas no Reino Unido, envolvendo milhares de membros das Forças Armadas vestidos com roupas cerimoniais.

O caixão foi levado da Abadia de Westminster para o Arco de Wellington e transferido para um carro funerário para viajar a Windsor, onde mais uma grande multidão esperava pacientemente.

Pessoas subiram em postes e barreiras para observar a procissão. Mais milhões assistiam pela televisão em um feriado declarado para a ocasião, na primeira vez em que o funeral de um monarca britânico foi televisionado.

"Venho a Windsor há 50 anos", disse Baldev Bhakar, 72, joalheiro da cidade vizinha de Slough, falando do lado de fora do Castelo de Windsor.

"Eu a vi muitas vezes ao longo dos anos; parecia que ela era nossa vizinha e ela era apenas uma mulher adorável; uma bela rainha. Foi bom dizer um último adeus à nossa vizinha."

Elizabeth morreu em 8 de setembro em sua casa de verão escocesa, o Castelo de Balmoral. Sua saúde estava em declínio e, por meses, a monarca que havia realizado centenas de compromissos oficiais até os 90 anos se retirou da vida pública.

No entanto, ela foi fotografada apenas dois dias antes de morrer, parecendo frágil, mas sorrindo, enquanto nomeava Liz Truss como sua 15ª e última primeira-ministra.

Quando ela sucedeu seu pai George 6º, Winston Churchill era seu primeiro primeiro-ministro e Josef Stalin liderava a União Soviética. Ela conheceu figuras importantes da política ao entretenimento e esporte, incluindo Nelson Mandela, papa João Paulo 2º, os Beatles, Marilyn Monroe, Pelé e Roger Federer.