Caixa aguarda autorização do BC para lançar banco digital e fazer abertura de capital

Geralda Doca
·2 minuto de leitura
Daniel Marenco / Agência O Globo

BRASÍLIA — A Caixa Econômica Federal aguarda aprovação do Banco Central (BC) nos próximos seis meses para pôr em operação o banco digital. Segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, o banco digital será uma instituição segregada e que passará por um processo de abertura de capital.

A medida também precisará ser aprovada pelas instâncias internas da Caixa, como o Conselho de Administração.

— Nosso objetivo é ter o banco digital aprovado e monetizado uma parte logo após essa aprovação, que esperamos que aconteça nos próximos seis meses. Será um banco em separado, sendo 100% da Caixa. Não faremos algo que será simplesmente uma Caixa, será um banco operacional — disse Guimarães, ao apresentar o balanço trimestral do banco.

Ele destacou que o banco digital será fundamental para o futuro da Caixa porque permitirá ampliação da base de clientes, operações de crédito em grande escala, com custos reduzidos.

— O banco digital da Caixa é fundamental para o futuro da Caixa e também em reduzir custos e trazer benefícios para as pessoas. Nós pretendemos realizar essa abertura de capital tanto fora do Brasil quanto dentro. Já venho conversando sobre isso, mas antes temos que ter as aprovações internas e externas — afirmou Guimarães.

Ele disse que a Caixa apresentou os estudos sobre a criação do banco digital ao BC. A nova instituição já conta com 100 funcionários exclusivos e está sobre os cuidados de uma vice-presidência específica.

O diferencial, segundo Guimarães, é que essa nova instituição nascerá com um ativo de 105 milhões de contas virtuais.

O banco digital vai operar em três eixos: pagamento de benefícios sociais para 35 milhões de pessoas por mês, oferta de microcrédito para pelo menos 10 milhões de pequenos empreendedores no curto prazo e de crédito imobiliário para cinco milhões de famílias de baixa renda.

Segundo a Caixa, já foram emitidos 95,8 milhões de cartões virtuais e realizadas R$ 45,1 bilhões em operações pelo Caixa Tem, aplicativo da Caixa que permite transações pelo celular.