Caixa contrata 7,7 mil profissionais para reforçar atendimento

Extra
·2 minuto de leitura

Nesta quarta-feira (17), o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, anunciou que o banco irá contratar 7.704 pessoas para fortalecer sua rede de atendimento. Serão 2.766 empregados, 1.162 estagiários, 2.320 vigilantes e 1.456 recepcionistas.

Ainda foi informado que já está em andamento a contratação de 566 empregados em razão da abertura de novas unidades nas regiões Norte e Nordeste, além de 87 técnicos em Tecnologia da Informação (TI) a serem lotados no Distrito Federal (DF).

“São pessoas que farão a diferença neste momento tão sensível que o Brasil vive. Mais uma vez, ouvimos as demandas dos empregados e agimos rapidamente para fortalecer o atendimento, em especial para aqueles que mais precisam”, explicou Guimarães.

Em janeiro, a Caixa anunciou a criação de 76 novas unidades em todo o Brasil, sendo 20 unidades especializadas no agronegócio. Com essa expansão, o banco estará presente em todos os municípios brasileiros com mais de 40 mil habitantes, totalizando 4.200 agências.

O presidente da Associação dos Gestores da Caixa Econômica Federal do Estado do Rio de Janeiro (AGECEF-Rio), Rogério Campanate, avalia a contratação como uma boa notícia. No entanto, acredita que a medida não é suficiente para evitar o superlotamento das agências em datas de pagamento do auxílio emergencial.

Leia também:

"No Estado do Rio de Janeiro, são mais de 300 agências que tiveram filas intermináveis durante o pagamento do auxílio o que, junto com a pressão da cobrança de metas, têm causado o adoecimento dos empregados da Caixa. Uma pesquisa feita pelo AGECEF-Rio revelou que 70% dos gestores trabalharam acima da jornada contratual na pandemia. E 68% dos gerentes e assistentes da Caixa relacionaram ansiedade, depressão, angústia e pânico ao trabalho realizado na Caixa. Precisamos de aumento expressivo de bancários na Caixa, da descentralização do pagamento do auxílio emergencial e do fim do assédio pela cobrança de vendas de produtos. Só assim, a Caixa vai poder cumprir seu papel social, fundamental num momento de crise", criticou.

Os interessados em uma das 1.100 vagas de estágio podem se candidatar até o dia 15 de abril, pelo site do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE). A seleção contempla estudantes do ensino médio, técnico e superior dos cursos de Arquitetura, Engenharia e Direito, e 10% das oportunidades são reservadas a Pessoas com Deficiência (PcD).

O contrato é de, no máximo, dois anos. No caso dos PcDs, esse prazo pode ser prorrogado.