Em Missa do Crisma, papa pede mais proximidade aos padres

Cidade do Vaticano, 29 mar (EFE).- Na missa que abriu o Tríduo Pascal no Vaticano nesta Quinta-feira Santa para os católicos, o papa Francisco incentivou os padres a serem mais "próximo" das pessoas, "porque a proximidade é a chave do evangelizador".

Durante a homilia, na Basílica de São Pedro, Francisco afirmou que a proximidade é muito mais que algo positivo. Segundo ele, um padre "deve estar sempre perto e falar com todos: com os grandes, com os pequenos, com os pobres, com aqueles que não creem". Nesta missa, que dá início aos ritos da Semana Santa, o pontífice defendeu que a proximidade é "a chave da verdade".

"A proximidade é a chave do evangelizador, porque é uma atitude-chave no Evangelho, mas é também a chave da verdade", ressaltou ele, lembrando que esta é também fidelidade e que não devemos cair na tentação de fazer ídolos com algumas verdades abstratas.

Em uma fala improvisada, o papa alertou sobre a 'verdade-ídolo', que disfarçada "as palavras evangélicas como um vestido, mas não deixa que lhe toquem o coração".

Por fim, se dirigindo diretamente aos padres, Francisco fez uma prece à Maria, "Nossa Senhora da Proximidade" pedindo que mantenha os sacerdotes unidos no tom, "para que, na diversidade de opiniões, se torne presente a sua proximidade materna, aquela que com o seu 'sim' nos aproximou de Jesus para sempre".

A Missa do Crisma marca o dia em que se lembra a instituição de alguns sacramentos. A homilia nesta missa sempre é dedicada a uma reflexão sobre o trabalho sacerdotal.

Mais tarde, o papa irá à Penitenciária Regina Coeli, no centro de Roma, onde celebrará a Missa "in Coena Domini" e lavará os pés de 12 detentos. EFE