Caixa teria mudado regras do consignado do Auxílio Brasil após derrota de Bolsonaro

Caixa não anunciou nenhuma alteração no consignado do Auxílio até o momento, mas mudanças nos sistemas indicam um corte maciço na liberação de dinheiro (Getty Creative)
Caixa não anunciou nenhuma alteração no consignado do Auxílio até o momento, mas mudanças nos sistemas indicam um corte maciço na liberação de dinheiro (Getty Creative)
  • Caixa Econômica Federal teria mudado regras e cortado a liberação de crédito consignado do Auxílio Brasil após derrota de Bolsonaro nas eleições;

  • Banco divulgou um comunicado interno para agências e correspondentes bancários com a atualização da lista de pessoas impedidas de contratar o consignado;

  • Fontes de três estados teriam confirmado as novas medidas. Instituição diz que se trata de critérios internos de governança.

Uma reportagem do UOL aponta que a Caixa Econômica Federal teria mudado regras e cortado a liberação de crédito consignado do Auxílio Brasil após a derrota de Jair Bolsonaro (PL) nas eleições.

Conforme a reportagem apurou, embora a Caixa não tenha anunciado nenhuma alteração no consignado do Auxílio até o momento, "orientações internas do banco e mudanças nos sistemas indicam um corte maciço na liberação de dinheiro".

O UOL confirmou com fontes de três estados que a Caixa divulgou um comunicado interno para agências e correspondentes bancários com a atualização da lista de pessoas impedidas de contratar o consignado do Auxílio.

"Desde 14 de novembro, ninguém foi aprovado [na minha agência]. Mas o motivo não está claro. Só sabemos que os clientes não conseguem mais fazer o consignado", informou, sob condição de anonimato, a funcionária de uma agência da Caixa em Belo Horizonte, na capital mineira. Outro funcionário do banco, em Curitiba (PR), afirmou que "no período eleitoral, fazíamos cerca de 30 consignados do Auxílio por dia, poucos eram negados. Agora, quase todos são negados."

Questionada pela reportagem do UOL sobre as mudanças nas regras dos empréstimos, a Caixa disse apenas que "a concessão de crédito obedece a critérios internos de governança, com base no contexto de mercado, no monitoramento de seus produtos e nas estratégias do banco".

No início deste mês, uma medida da Caixa pegou de surpresa os beneficiários do Auxílio Brasil. Após conceder o crédito consignado, o banco resolveu descontar os valores já no mês de novembro.

Nas redes sociais, pessoas se queixam de não terem recebido um contrato formal que traga todas informações sobre a transação. A Caixa diz que o Ministério da Cidadania faz a retenção antecipada do valor da parcela e o posterior repasse dos valores para a instituição.

A Caixa Econômica Federal divulgou uma nota dizendo que "na operação do Consignado Auxílio, o Ministério da Cidadania, responsável pelo pagamento do benefício, faz a retenção antecipada do valor da parcela e o posterior repasse dos valores à Caixa".