Câmara de SP aprova nome de Marisa Letícia para viaduto após tirar homenagem de bairro nobre

Ricardo Stuckert

Dez meses depois de a proposta ser apresentada, a Câmara de São Paulo aprovou nesta semana um projeto de lei que dá o nome da ex-primeira dama Marisa Letícia, morta em fevereiro, a um viaduto no extremo sul da capital.

O projeto só foi aprovado após o local da homenagem ser alterado pelos vereadores. O texto original previa que o nome da esposa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seria dado ao prolongamento da Avenida Chucri Zaidan, na Chácara Santo Antônio, bairro nobre da capital.

O projeto, assinado pela bancada do PT, ficou parado em razão da resistência dos vereador governistas, avalizados pelo prefeito João Doria. Moradores do bairro também não queriam a homenagem em uma via de destaque.

Nas últimas semanas, o presidente da Casa, Milton Leite (DEM), e o vereador Reis (PT) apresentaram um substitutivo que prevê que o nome de Marisa Letícia será dado ao viaduto que se inicia na Estrada do M’Boi Mirim e termina na confluência da avenida Luiz Gushiken – outro nome ligado ao PT, ex-deputado federal e ex-ministro, morto em 2013.

O projeto de lei foi aprovado de forma simbólica pelos vereadores e segue para sanção do prefeito.

A ex-primeira-dama era ré em processo da Operação Lava Jato relativo a um tríplex no Guarujá, no litoral de São Paulo. O apartamento é atribuído a Lula pelo Ministério Público Federal e seria fruto de suposta propina da OAS em razão de corrupção em contratos com a Petrobras.

O petista já foi condenado em primeira instância a 9 anos e seis meses de prisão. Ele nega as acusações e está recorrendo. A acusação contra Marisa Letícia foi arquivada após sua morte.