Câmara decide cassar mandato da deputada Flordelis

·1 minuto de leitura
Flordelis fez sua defesa no plenário da Câmara (Crédito: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
Flordelis fez sua defesa no plenário da Câmara (Crédito: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)
  • Por 437 votos a 7, Câmara decidiu cassar o mandato da deputada federal Flordelis

  • Eram necessários pelo menos 257 votos para que a parlamentar perdesse sua cadeira na Casa

  • Flordelis é acusada pelo MPRJ de ser a mandante do assassinato do marido, pastor Anderson do Carmo

A Câmara decidiu, por 437 votos a 7, cassar o mandato da deputada federal Flordelis. Eram necessários pelo menos 257 votos para que a parlamentar perdesse sua cadeira na Casa.

Flordelis é acusada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro de ser a mandante do assassinato do marido, pastor Anderson do Carmo. A parlamentar nega ter sido responsável pelo crime, que ocorreu em junho de 2019, na cidade de Niterói (RJ).

Como determina o Regimento da Câmara, o caso começou a ser analisado no Conselho de Ética. O colegiado votou favoravelmente ao parecer do relator, deputado Alexandre Leite (DEM-SP), pela cassação do mandato, em junho deste ano.

Leia também:

Urna eletrônica já é auditável: Conheça processo que verifica segurança do voto

Delegado que atacou vigília por Lula é encontrado morto em sede da PF

PEC do voto impresso: Veja como cada deputado votou

Nesta quarta-feira (11), foi marcada a análise no plenário. O relator discursou e disse que seu parecer foi de avaliação do descumprimento das questões "ético-disciplinares".

“Quem vai decidir quem matou o pastor Anderson do Carmo não é a Câmara dos Deputados, é o Tribunal do Júri. Aqui, nós nos ativemos às questões meramente ético-disciplinares que regem o mandato parlamentar”, explicou.

Alexandre Leite afirmou ainda que a deputada utilizou o mandato para coagir testemunhas e também para ocultar provas.

Flordelis se defendeu no plenário. “Quando o Tribunal do Júri me absolver, vocês vão se arrepender de ter cassado uma pessoa que não foi julgada”, afirmou.

Os advogados da parlamentar também se manifestaram e defenderam que a pena que deveria ser aplicada era a de suspensão do mandato por seis meses e não a cassação definitiva.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos