Camboja fecha mercados para conter Covid-19, e milhares apelam por comida

·2 minuto de leitura

PHNOM PENH (Reuters) - O Camboja fechou todos os mercados da capital Phnom Penh neste sábado para conter um surto em infecções por coronavírus, e milhares de pessoas apelaram ao governo por comida, em meio a um lockdown de duas semanas.

O Camboja também registrou um recorde diário de dez novas mortes por coronavírus neste sábado, afirmou o seu Ministério da Saúde, durante um pico de infecções depois de um surto detectado no final de fevereiro.

Os últimos números levam o total de casos no país a 9.359. Até recentemente, o Camboja era um dos países com menos infecções no mundo. Relatou 71 mortes, todas nos últimos dois meses.

Phnom Penh entrou em lockdown em 15 de abril e declarou alguns distritos como “zonas vermelhas”, proibindo as pessoas de deixarem suas casas, exceto por motivos médicos.

Em uma nova ordem emitida no final de sexta-feira, a prefeitura de Phnom Penh disse que todos os mercados serão fechados entre sábado e 7 de maio, acrescentando que tem visto um crescimento de infecções em mercados e tem pedido que vendedores e guardas sejam testados para Covid-19.

Autoridades do município têm dado a milhares de famílias que não podem deixar as suas casas 25 quilos de arroz, uma caixa de molho de soja, um saco de molho de peixe e outro saco de peixe enlatado, segundo a página de Facebook da prefeitura.

Um grupo de Telegram do governo foi organizado recentemente para cidadãos em busca de auxílio emergencial alimentício e recebeu milhares de pedidos.

“Eu e minha família pedimos assistência imediata para comida essencial no dia a dia… eu perdi toda a renda da minha família por causa do fechamento da fábrica e do lockdown”, disse Thorn Meng, que tem uma família de cinco pessoas.

(Reportagem de Prak Chan Thul)