Rebeldes pró-Ancara e curdos desmentem entrada da Turquia em cidade síria

Beirute, 27 mar (EFE).- Uma facção rebelde aliada de Ancara e as milícias curdo-sírias negaram nesta terça-feira que as forças da Turquia e seus aliados tenham entrado e tomado o controle da cidade de Tall Rifat, no norte da Síria, após um acordo com a Rússia.

O comandante da Brigada Sultão Murad, Ahmad Ozman, cujo grupo faz parte do opositor Exército Livre da Síria (ELS), disse à Agência Efe por telefone que há negociações com a Rússia para "a entrega pacífica de Tall Rifat", situada a 33 quilômetros ao oeste da região de Afrin, na província síria de Aleppo.

Ozman destacou que esperam que isto possa ocorra em breve, sem derramamento de sangue, "já que há grandes avanços nas conversas sobre este assunto".

A Brigada Sultão Murad é um dos grupos insurgentes sírios que colaboram com o exército turco, que em 20 de janeiro lançou uma ofensiva contra o enclave de Afrin, que estava dominada pela principal milícia curdo-síria, as Unidades de Proteção Popular (YPG, por sua sigla em curdo).

Após quase dois meses de ofensiva, Ancara anunciou no último dia 18 que suas tropas tinham conquistado a cidade de Afrin, na região homônima, e que iam estender a operação para outras partes do norte da Síria.

Anteriormente, o Observatório Sírio de Direitos Humanos tinha informado que a Rússia entregou hoje às forças turcas e às facções rebeldes pró-Ancara o domínio de Tall Rifat, que estava em mãos das Forças da Síria Democrática (FSD), uma aliança armada liderada pelas YPG.

Essa fonte explicou que foram as próprias tropas russas destacadas em Tall Rifat que entregaram o controle da cidade aos soldados turcos e seus aliados, após um acordo nas últimas horas entre ambas as partes.

No entanto, pouco depois o Observatório afirmou que as tropas turcas tinham parado de avançar nos arredores de Tel Refat, depois que as FSD rejeitaram deixar a cidade pela presença de dezenas de milhares de deslocados originários de Afrin.

As forças russas estão em Tall Rifat desde que a Turquia iniciou a ofensiva em Afrin, onde estavam desdobradas anteriormente em aplicação a um pacto de colaboração com as FSD para treinar seus soldados na luta contra o grupo terrorista Estado Islâmico.

Um porta-voz das YPG, Brusek Hasaka, negou também em comunicado que as forças turcas e "seus mercenários" tenham ocupado Tall Rifat e detalhou que essas afirmações fazem parte da "guerra informativa".

"As nossas forças estão presentes em áreas de Shahba (onde fica Tall Rifat) e resistirão a qualquer tentativa de ocupá-la", afirmou Hasaka em comunicado publicado no site das YPG. EFE